Cidadeverde.com

Teresina sedia Simpósio científico sobre Perda de Abelhas

Por estes dias estava preparando uma palestra sobre financiamento em Ciência, Tecnologia e Inovação e vi informações sobre a Balança Comercial no Brasil e no Piauí. A ideia era mostrar a importância do desenvolvimento da pesquisa, especialmente para agregar valor aos produtos exportados pelo Brasil e reduzir nossa dependência de ter que importar produtos manufaturados, fruto deste mesmo desenvolvimento tecnológico só que em outros países.

Olhei dados do site DataViva (dataviva.info) e vi que em 2016 o mel foi um dos produtos que mais o Piauí exportou, sendo responsável por 6,5% do volume de negócios feitos pelo estado. Como boa parte dos produtos exportados, o mel depende de recursos naturais como plantas e abelhas.

Já abordei aqui no Ciência Viva um dos maiores problemas da apicultura mundial: a perda das abelhas. A EMBRAPA Meio Norte também tem se preocupado muito com o assunto e está organizando um Simpósio com nomes de várias partes do país para falar sobre o assunto (veja programação do evento: https://www.embrapa.br/documents/1354386/26461856/programacao+final/e9123379-4ec9-1150-74c1-b2490415fdf7). Pesquisadores que trabalham com o assunto como a Dra. Fábia Pereira (EMBRAPA Meio Norte) e o Dr. Carlos Giovanni Carvalho (UESPI) estão entre os palestrantes locais que vão se juntar a nomes como o Dr. David W. Roubik (Smithsonian Tropical Research Institute) e o Dr. Osmar Malaspina (UNESP) para falar sobre diferentes nuances deste problema que pode por fim a um dos mais ricos alimentos que a natureza nos fornece: o mel!

O evento ganhou repercussão não somente entre os pesquisadores da área, mas importantes agências, como Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (http://agencia.fapesp.br/agenda-detalhe/simposio_sobre_perdas_de_abelhas_no_brasil/26355/) já noticiaram em suas páginas para importância das discussões que ocorrerão no Bristol Grand Hotel Arrey, em Teresina (PI), nos dias 16, 17 e 18 de outubro de 2017. O evento fará transmissões ao vivo pelo Canal da EMBRAPA no YouTube (https://www.youtube.com/user/videosEmbrapa).

Se a pesquisa não avança para agregar valor para os nossos itens de exportação que pelo menos consiga reduzir os prejuízos das nossas culturas mais valiosas, como é o caso da produção do mel.