Cidadeverde.com

A sanha humana contra a natureza

Das coisas simples com as quais nos deparamos. Cena: chega cedo na casa de praia o catador de caranguejos com seis “cordas” de caranguejo-uçá. Nas mãos vinte e poucos caranguejos muito pequenos, todos se movimentando, querendo se livrar das cordinhas que prendem seus esqueletos.

Conversa rapidamente sobre o preço: 36 reais. Na conversa disse que foi longe, nos mangues distantes do povoado (estávamos em Barra Grande) para conseguir achar aqueles caranguejos. Interpelo ele sobre o tamanho dos caranguejos. Ele é enfático: “tem gente que pega caranguejos sem se preocupar se são machos ou fêmeas, se estão com ovos ou não. Se está ou não na época de reprodução”. Sem muita cultura ele foi no cerne da questão: os caranguejos estão desaparecendo pela exploração descontrolada do recurso e mais: diminuindo de tamanho!

Ao longo do tempo, o homem tem feito uma seleção meio às avessas. Tem explorado recursos, especialmente recursos do mar, preocupado apenas com detalhes que permitam conciliar uma pseudoconservação dos recursos com interesses econômicos. Os livros de ecologia há muitos anos já trazem informações sobre a redução no tamanho dos peixes de diferentes espécies, pescados em diferentes regiões da Terra. Nos países escandinavos já é notória a redução gradativa dos peixes em função da redução das malhas das redes de pesca. As malhas, graduadas para pegar apenas peixes maiores e deixar livre os filhotes, também deixou livres os adultos com tamanho reduzido. Resultado: peixes pequenos produzem filhotes pequenos: lição básica da genética baseada em dados quantitativos. Resultado: uma gradativa redução dos fenótipos, ou seja, peixes cada vez menores.

Basicamente o homem está fazendo uma seleção às avessas e a natureza vai dando seu jeito: os grandes vão desaparecendo e aparece uma nova geração de indivíduos menores. A chegar um momento em que, de tão pequenos, não interessarão mais aos interesses humanos de natureza comercial.

É mais ou menos por aí que a natureza vai escapando do descontrole humano.

Até a próxima...