Cidadeverde.com

Seleção natural em “O mundo das águas”

Em 1995 foi lançado um filme com o título Waterworld – o segredo das águas, estrelado por Kevin Costner e Jeanne Tripplehon. A história se passava no futuro, num cenário onde o aquecimento global teria sido responsável pelo quase desaparecimento das terras. As populações viviam em grandes embarcações num cenário de muitos conflitos.

Me chamou atenção, e utilizei muitas vezes em sala de aula, a capacidade anfíbia do personagem vivido por Kevin Costner que possuía características típicas de animais com respiração em meio aquático. Apresentava guelras nas laterais do pescoço, o que favorecia a respiração em meio aquático. Veja o trailer do filme:

Trabalhei esta informação da fantasia cinematográfica para ilustrar os efeitos do processo de Seleção Natural na modificação de organismos, resultando no processo de adaptação das espécies, mecanismos aos quais todos os seres vivos estão sujeitos, como um resiliente mecanismo de sobrevivência das espécies, em meio às modificações.

O que não esperava era ter lido essa semana a comprovação de que existem pessoas já com características anfíbias, tal a ficção descreveu no filme de Costner. Moradores de uma ilha no sudeste asiático, na região da Indonésia, os Bajau Laut, chamados de “Ciganos do Mar”. A pesquisa publicada na revista Cell demonstrou que estas pessoas apresentavam um significativo aumento do baço. De acordo com a hipótese estabelecida o baço formaria uma reserva extra de glóbulos vermelhos o que, a princípio, permitiria que os portadores desta característica conseguissem passar mais tempo mergulhados. Como o caráter está presente tanto nas pessoas que mergulham, quanto nos membros da população que não são adeptos da prática do mergulho, a característica seria da responsabilidade de genes, repassados por ancestrais que adquiriram a alteração (por meio de uma mutação) que foi selecionada em razão do hábito de mergulhar.

Os Bajau Laut são chamados de ciganos ou nômades do mar porque passam mais da metade de suas vidas morando em embarcações pequenas e se alimentam de insumos do mar (peixes e crustáceos).

Além da alteração no baço, os pesquisadores também encontraram um traço comum na população: o aumento do teor de Hormônio T4, um dos produzidos pela tireóide, responsável por ampliar a taxa metabólica, o que ajuda a equilibrar o organismo quando os níveis de oxigênio estão muito baixos.

Os Bajau Laut são os recordistas de mergulho em profundidades, permanecendo por até três minutos em anoxia em profundidades superiores a 70 metros, sem uso de equipamentos.

Até o próximo post...