Cidadeverde.com

Pesquisadora piauiense promove saúde pública nas periferias

  • Simone7.jpg Simone Mousinho e equipe
  • Simone6.jpg Simone Mousinho e equipe
  • Simone5.jpg Simone Mousinho e equipe
  • Simone4.jpg Simone Mousinho e equipe
  • Simone2.jpg Simone Mousinho e equipe
  • Simone_3.jpg Simone Mousinho e equipe

Ultimamente as universidades brasileiras vêm sendo muito atacadas nas redes sociais, especialmente por pessoas que desconhecem a importância de uma Universidade no seio de uma comunidade. Sou professor universitário há 25 anos e sei de muitas histórias e por vezes uso o Blog Ciência Viva para tornar públicas algumas das coisas que tenho testemunhado de perto ou de longe.

Hoje vou contar a história do Projeto Parasitoses, criado pela Professora Doutora Simone Mousinho Freire. A Dra. Simone é minha colega na Universidade Estadual do Piauí. Como sua pós-graduação é na área de doenças parasitárias ministra na Graduação a disciplina Parasitologia.

Dra. Simone Mousinho. Foto: Acervo Pessoal.

A avalanche de notas baixas dos seus alunos motivou transformar parte da atividade de Ensino em um projeto de Extensão e de Pesquisa. Na prática, a professora introduziu a responsabilidade dos estudantes a buscarem crianças na faixa etária dos 3 aos 10 anos de comunidades carentes da periferia de Teresina como Vila Wall Ferraz, Vila Maria, Cerâmica CIL e Pedra Mole, coletando material biológico (fezes) para avaliar a presença de parasitas. Surgiu assim o projeto que tem como objetivo avaliar o Perfil Sócio Epidemiológico abordando o aspecto parasitológico de crianças. Ao todo foram feitas 483 investigações parasitárias na faixa etária estudada, mas mais de 500 atendimentos, compreendendo crianças fora da faixa pesquisada e com benefício direto para mais de 800 pessoas durante o período de realização do mesmo.

As atividades do projeto foram totalmente custeadas por doações. Além dos insumos para realização dos exames o projeto culminava com o dia “D”, no qual profissionais de diferentes áreas, todos voluntários, como médicos, enfermeiros, farmacêuticos, psicólogos se encontravam com a comunidade para realização de palestras, distribuição de medicamentos contra parasitoses, atividades lúdicas e atividades de educação, especialmente voltadas para orientações sobre como prevenir as doenças parasitárias e outros cuidados relativos à higiene. Em cada encerramento os beneficiados recebiam um kit formado por sabonete, pasta de dentes, escova de dentes, pente e chinelo, além do fornecimento de um filtro para a família atendida.

Como tudo que é bom dura pouco, este ano foi o último do projeto. Conversei com Simone que está satisfeita com os resultados, pois conseguiu a adesão de seus alunos que melhoraram seu desempenho na disciplina, mas cansou de correr atrás de doações, especialmente para esta finalização. Este ano, em razão da crise, não conseguiu nem o ônibus da Universidade para transportar os estudantes. Em razão da greve, com o esvaziamento do Campus, os estudantes foram à luta e pediram dinheiro nos sinais da cidade.

Participantes do projeto arrecadam recursos em um dos cruzamentos de Teresina. Foto: Projeto Parasitoses.

Esta é a realidade de muitos pesquisadores que trabalham, mas por vezes não conseguem ser reconhecidos nem pelos seus pares da academia, o que dirá da sociedade como um todo. Não é o caso da Simone. Tem o respeito dos seus colegas, alunos e ex-alunos e de crianças que podem ter tido sua vida salva com esta grandiosa ação.

Parabéns Dra. Simone Mousinho!

Boa semana para todos(as)...