Cidadeverde.com

Lojas que vão funcionar dia 06 serão por delivery ou entrega na porta

A retomada gradual das atividades econômicas em Teresina está prevista para iniciar na próxima segunda-feira (6). Os setores da indústria, agropecuária e construção civil serão os primeiros que serão retomados na Capital. Lojas de material de construção e peças de veículos, por exemplo, voltarão a funcionar, mas somente por delivery ou entrega na porta. 

Washington Bonfim, membro do Centro de Operações de Emergência (COE) da Prefeitura de Teresina, ressalta que os setores -que primeiro serão liberados- são baseados em estudos com apoio de profissionais da Universidade Federal do Piauí (Ufpi) das áreas de epidemiologia, engenharia elétrica e economia. 

"Montamos uma matriz que tem relação com a segurança do trabalhador, do local da atividade econômica e valor agregado. A partir disso, estamos desenhando as fases de abertura. Nesse primeiro momento, as atividades agrícolas, de indústria de transformação, especialmente ligadas à construção civil, tanto no que é o sítio da obra como serviços de arquitetura e engenharia serão autorizadas e também o de comércio da construção civil e ligada a automotores como lojas de peças e concessionárias", explica Bonfim. 

Ele ressalta que as primeiras fases do retorno das atividades estão previstas para os dias 06 e 13 de julho. 

"No dia 06 vai abrir apenas o comércio de material de construção no formato de delivery e entrega na porta. O atendimento ao público seria apenas a partir no dia 13. Só a partir desse dia, as lojas de autopeças abririam ao público. É importante que a população entenda que, nesse primeiro momento, a abertura será controlada com 50% da capacidade em um turno único e quatro dias por semana. Vamos tomar todos os cuidados para que a gente não tenha um rebote das condições de disseminação e, portanto, de adoecimento da população", esclarece o membro do COE.

Foto: Roberta Aline/ Cidadeverde.com

Washington Bonfim ressalta que a abertura gradual da economia tem relação com o índice de transmissibilidade, volume de testagem, capacidade de rastreamento dos positivados, número de internações e disponibilidade de leitos clínicos e UTIs para pacientes com a Covid-19.

"Temos notícias, relativamente boas, que há quase duas semanas, o índice de transmissão está em torno de 1, que é o recomendável pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Estamos analisando os demais indicadores como casos confirmados e óbitos. Asim,  é natural fazermos restruições de quinta a domingo", ressalta Bonfim. 


Graciane Sousa
[email protected]