Cidadeverde.com

PM e agentes interceptam celulares, baterias e droga jogados em presídio

Equipes da Penitenciária de Esperantina conseguiram interceptar, na manhã deste domingo(26), objetos que estavam sendo jogados através do muro do presídio para presos. Além de droga, havia pilhas, baterias e celulares. 

O fato aconteceu por volta das 7 horas da manhã e o material caiu sobre a tela de proteção do teto. No momento, o policial militar que estava na guarita externa flagrou e avisou aos agentes que agiram rapidamente. 

De acordo com o gerente do presídio, o agente Agnaldo Lima, a ação tem que ser rápida antes que os presos utilizem garrafa pet com água para bater na tela e o material cair. 

“Os objetos foram jogados sobre a tela do pavilhão D, mas os agentes agiram rápido e pegaram antes que derrubassem. Ainda fomos atrás de quem jogou, mas como o presídio está rodado de mata virgem dificulta a ação. Nossa preocupação era que não chegasse aos presos”, afirmou o gerente. 

Ele disse que de vez em quando acontece essa tentativa de jogar objetos pelo muro e desta vez mudaram a tática. “Como hoje é dia de visita, eles acharam que não estaríamos atentos. Mas o militar estava de olho e nos alertou”, destacou Agnaldo Lima.

Entre o material estavam cinco baterias, dois celulares, um chip, 14 pilhas e 26 gramas de uma substância análoga a maconha, que vinha enrolada nas pilhas. "As pilhas são usadas para carregar os celulares, tendo em vista que dentro das celas não há energia elétrica. Eles colocam positivo e negativo e conseguem carregar", explica o gerente Agnaldo. 

O presídio de Esperantina tem 157 vagas e hoje abriga 398 detentos. O diretor revela que tem feito revista estrutural diariamente, para manter a ordem no local. 


 

Caroline Oliveira
carolineoliveira@cidadeverde.com