Cidadeverde.com

Ministério Público convoca Diocese para garantir preservação de painel em igreja

  • igrejapainel11111.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel1222.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel1000.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel222.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel111.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel99.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel22.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel12.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel10.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel9.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel8.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel7.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel6.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel5.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel4.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel3.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel2.jpg José Luis (Jornalesp.com)
  • igrejapainel1.jpg José Luis (Jornalesp.com)

O Ministério Público decidiu intervir para evitar a destruição o painel "Calvário de Cristo", pintado pelo artista João Batista Bezerra da Cruz em Esperantina, município a 74 km de Teresina. Após a polêmica envolvendo pintura, que fica na Igreja de Nossa Senhora da Boa Esperança, o promotor de Esperantina, João Sérvio de Deus Barros, propôs à Diocese da região um Termo de Ajuste de Conduta pela preservação da obra. Segundo o promotor, caso não haja um entendimento, o Ministério Público vai ajuizar uma ação civil pública contra a diocese.

"Expedi ofício para a diocese indagando se havia por parte deles o interesse em firmar um Termo de Ajustamento de Conduta. A nossa coordenadora do centro de apoio ficou de entrar em contato com o bispo e marcar essa reunião onde serão discutidas as cláusulas desse ajustamento de conduta. Se nessa reunião a gente obtiver êxito, o pacto será assinado, e nas cláusulas estarão inclusive as consequências por descumprimento. Caso não haja entendimento, não restará outra opção senão ajuizar uma ação civil pública contra a diocese", declarou o promotor em entrevista á TV Cidade Verde.

Além da reunião, uma recomendação do MP já foi enviada ao pároco da cidade Evandro Alves, que deve garantir essa preservação desde já. "Fizemos uma recomendação a diocese e ao pároco local no sentido de que se abstivesse de qualquer conduta que pudesse danificar o painel. Foi dito inclusive na recomendação que na dúvida, de que se tem ou não valor artístico, histórico ou cultural, preserva-se", pontuou.

Conselho defende preservação

A discussão envolvendo a obra tomou uma nova dimensão com a entrada do Conselho Estadual de Cultura, que defende sua preservação. O professor Cinéas Santos, presidente do Conselho, afirma que a obra faz parte do patrimônio histórico e cultural da cidade e deve ser preservada.

"O painel incorporou-se ao patrimônio da cidade e a destruição do painel é efetivamente um crime contra o patrimônio cultural. Esse painel não pertence a igreja. Ele está no espaço da igreja mas esse painel pertence ao povo do Piauí", defende o presidente.

A obra pintada no período da Ditadura Militar retrata a morte de Jesus Cristo em meio à trabalhadores, militares, movimentos sociais e as mais diversas formas de representação da sociedade. Desde então ela vem dividindo opiniões no município do interior.

O padre, está promovendo uma reforma completa na igreja e o Conselho veio a público para alertar uma possível destruição do painel. "Por sorte o painel ainda está lá. Ele já correu o risco de ser destruído por conta de uma obra na igreja e caiu uma viga que passou raspando no painel", completou o professor.

Abaixo-assinado

Entre as discussões pela preservação, ou não sa obra, o pároco divulgou durante missa um abaixo assinado que pede pelo não tombamento do painel. O texto, lido pelo padre, afirma: "buscamos sempre o melhor para o nosso aconchego no louvor a Deus e na escuta de sua palavra, pedimos humildemente nosso direito de continuar cuidando e preservando o nosso templo de oração, como nós, fieis acharmos melhor".

Em contato com o Cidadeverde.com o padre explica que o documento é de cunho popular e não é encabeçado pela igreja. Segundo ele, há uma insatisfação dos fieis em relação ao painel. "Eu realmente falei sobre o abaixo assinado na igreja mas o documento tem cunho popular, não é encabeçado pela igreja. O povo que tem interesse em retirar o painel. Dependendo da quantidade de assinaturas ele deve ser remetido a nós e para outras entidades como o Ministério Público e o Iphan", explicou.

Bispo orienta preservação

Procurado pelo Cidadeverde.com, o bispo da Diocese de Parnaíba, responsável pela igreja de Esperantina, Dom Juarez Sousa da Silva, garantiu que a obra será preservada e que a Diocese já emitiu um memorando para que todos os procedimentos fossem adotados para a preservação.

"Já recebemos do nosso jurídico a convocação para essa reunião e vamos participar. É preciso reforçar que desde o primeiro momento eu sempre pedi pela preservação do painel e o padre Evandro já está por dentro e orientado por nós no sentido de manter essa preservação", garantiu o bispo.

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com