Cidadeverde.com
Geral

Atraso nas visitas provoca motim na penitenciária Irmão Guido

Imprimir
Ampliada às 14h20
Os presos da penitenciária Irmão Guido, na BR-316, iniciaram uma confusão na manhã desta terça-feira (29), por causa do atraso no horário de visitas. 

Fotos: Carlos Lustosa/Cidadeverde.com

De acordo com a Secretaria de Justiça, por conta de uma vistoria nos pavilhões, as visitas foram atrasadas e quando as pessoas entraram, os detentos começaram a gritar e bater nas grades. Como medida de segurança, as visitas foram retiradas imediatamente  e os presos devolvidos às celas. 


A Secretaria disse que os detentos não colocaram fogo nos colchões do pavilhão C. 

A Polícia Militar foi acionada. De acordo com o capitão Fábio Abreu, subcomandante do Rone, o motim já foi controlado. 


"Houve um erro de comunicação, os agentes estavam tirando os presos para serem ouvidos e suspenderam as visitas, por isso se revoltaram", explicou.

Sinpoljuspi

Segundo o diretor administrativo do Sinpoljuspi, Kleiton Holanda, a tentativa de motim teve início por volta das 9h30 de hoje. Ele disse que o tumulto começou no pavilhão B e se espalhou pelos três pavilhões A-C-D. 


“Os detentos começaram a sacudir as grades e foram acompanhados pelos outros. Não houve queima de colchões e a Polícia Militar foi acionada para conter os ânimos. Nesse momento tem aproximadamente 50 militares lá dentro”, afirmou.


A equipe da TV Cidade Verde ouviu uma parente de um dos detentos. Com a dona-de-casa, que não quis se identificar, foi registrada a denuncia de que os presos da penitenciária estariam sendo vítimas de “torturas”. 

“Eles [presos] sofrem tortura física e psicológica. Peço que os Direitos Humanos e a OAB possam ir até o presídio para ver o que estava acontecendo. Preso nenhum vai dizer que está sendo torturado com um agente do lado”, informou a parente. 

Matéria relacionada:

Jordana Cury e Caroline Oliveira
Com informações de Tiago Melo (TV Cidade Verde)
Imprimir