Cidadeverde.com
Últimas

PM usa bombas para conter rebelião na Custódia; quatro ficam feridos

Imprimir
A Polícia Militar do Piauí usou bombas de efeito moral e tiros com balas de borracha para conter a rebelião na Casa de Custódia, o maior presídio do Estado. O motim teve início por volta do meio dia, após anúncio de racionamento de água dentro do presídio. Durante o confronto com a polícia, quatro presos ficaram feridos. A Custódio é um dos presídios mais críticos com capacidade para abrigar 330 detentos e está superlotado com 780 presos. 

Cida Cardoso/Cidadeverde.com

Os presos atearam fogo em colchões para evitarem a entrada da Tropa de Choque. Os detentos destruíram as paredes do presídio e com o resto da construção – tijolos e pedras – eram arremessados na polícia e nas câmeras de monitoramento. 

Segundo o coronel Alberto Menezes, comandante de Policiamento da Capital, quatro presos ficaram feridos. Dois atingidos com pedras na cabeça e rosto e outros dois na perna com bala de borracha.

“Tivemos que usar bala de borracha para conter os presos, já que eles brigavam entre si e se negavam a entrar nos pavilhões”, disse o coronel.


Esses presos tiveram os cortes suturados e encaminhados para o Hospital de Urgências de Teresina.

O diretor do Sindicato dos Agentes Penitenciário do Piauí, Kleiton Holanda, informou que a rebelião aconteceu nos pavilhões “E”, “F” e”H”. Ele contou que o presídio está sem água, devido a queima de uma bomba que abastece os pavilhões.

“A bomba chegou ao presídio já estava sendo instalada. E foi pedido a redução do consumo de água até o restabelecimento normal e os presos não concordaram”, disse Kleiton Holanda.


Atualizada às 15h24

Sobe para quatro o número de feridos em decorrência da rebelião ocorrida na Casa de Custódia nesta quinta (24). A informação foi confirmada pelo tenente Nilton, do Ronda Cidadão. 


De acordo com o tenente, todos os feridos já foram atendidos pelas ambulâncias do Samu que adentraram ao presídio.


Atualizada às 15h10

O diretor de presídios da Secretaria Estadual de Justiça, Wellington Rodrigues, confirmou que dois presos ficaram feridos em decorrência da rebelião ocorrida nesta quinta (24) na Casa de Custódia.


Um dos detentos, pertencente a cela 12, foi atingido com uma pedrada na cabeça. O outro, pertencente a cela 09, sofreu ferimento nas pernas no momento da correria. Ambos estavam no pavilhão F, mas não há confirmação em relação a qual pavilhão pertencem os feridos.


Três ambulâncias do Samu entraram na Casa de Custódia para atendimento dos feridos. 

A visita de hoje foi suspensa e, em comunicado às famílias que permanecem do lado de fora, Wellington informou que as visitas serão repostas em uma outra data.


A direção do presídio permitiu a entrada de mantimentos para apenas um pavilhão.

Atualizada às 15h03

O diretor administrativo do Sindicato dos Agentes Penitenciários, Kleiton Holanda, a situação na Casa de Custódia está controlada. O detento ferido durante a rebelião pertence ao pavilhão F.


Este pavilhão foi o mais atingido pelo motim dos presos. "No momento da correria, o preso acabou lesionando-se nas pernas. O Samu foi chamado por medida preventiva. Ele já foi medicado e permanece no interior do presídio", disse.

Ainda segundo Kleiton, os presos tentaram fugir pelo teto. Mas a tentativa foi abortada pela Tropa de Choque a tempo. "Entre os pavilhões H e F foi construída uma grade de contenção. Porém, essa obra não foi totalmente concluída. Não havia uma parede protegendo o local. Os presos quebraram a parte superior da grade para tentar fugir no vão que existe entre a parede de concreto e uma espécie de forro", explicou.


Cerca de 70 policiais militares, além de 14 agentes penitenciários permanecem no interior da unidade prisional.

Nenhum servidor que trabalha na Custódia ficou ferido. 


De acordo com o sindicato, o presídio abriga atualmente 780 presos. A capacidade é para apenas 330.


Atualizada às 14h28

O diretor de presídios da Secretaria de Justiça do Estado, Wellington Rodrigues, afirmou que presos de dois pavilhões foram os responsáveis pela rebelião que começou ainda no início da manhã desta quinta (24). 

Raoni Barbosa/Revista Cidade Verde

"Desde o início da manhã, nós percebemos que havia um problema na bomba de água e demos início ao serviço para conter o problema. Porém, presos dos pavilhões F e H iniciaram o movimento e realizaram a queima de alguns colchões", explica o diretor de presídios.

Reprodução/TV Cidade Verde

De acordo com o coronel Alberto Menezes, comandante de policiamento da capital, a rebelião foi controlada e a polícia permanece no local apenas para dar apoio aos agentes penitenciários.


"Um preso ficou ferido, mas ainda não sabemos se foi em decorrência de uma briga entre eles ou por conta dos tiros de arma não letal disparados pela polícia", disse.

Ainda segundo o coronel, a Tropa de Choque teve que disparar bombas de efeito moral e tiros de bala de borracha para conter os ânimos.


Wellington Rodrigues garante que o problema da distribuição de água foi restabelecido temporariamente pelo Corpo de Bombeiros e, em breve, a bomba será consertada.

A Tropa de Choque, neste momento, realiza o trabalho de recontagem dos presos e remanejamento para os pavilhões. 

Atualizada às 14h08

Uma ambulância do Samu foi acionada porque há um preso ferido no interior da Casa de Custódia. A ambulância entrou no presídio por volta das 14h. 


Raoni Barbosa/Revista Cidade Verde

Do lado de fora da Casa de Custódia, muitos familiares se aglomeram em busca de informações sobre seus parentes presos.

Há uma grande movimentação de viaturas da Polícia Militar entrando e saindo do presídio.

Raoni Barbosa/Revista Cidade Verde

Atualizada às 13h58

Em outros dois pavilhões, além do pavilhão F, os presos se rebelaram na Casa de Custódia. Os presos precisaram ser contidos pela Tropa de Choque. Os presos protestam, segundo o Sindicato dos Agentes Penitenciários, contra a falta de água no presídio.

O comandante de policiamento da capital, coronel Alberto Menezes, chegou a unidade prisional com reforço de homens para tentar conter os presos. Segundo o comandante, a prioridade é manter os detentos nos pavilhões para evitar fuga. 

Atualizada às 13h50

Uma ambulância, uma viatura do Corpo de Bombeiros e uma equipe motorizada do Rone chegaram agora à Casa de Custódia. Os presos estão sendo monitorados por câmeras e, além disso, a tropa de choque está no local para conter os presos.


Segundo o Sindicato dos Agentes Penitenciários, presos do pavilhão F se rebelaram e queimaram colchões.

Atualizada às 13h34

Em entrevista ao vivo ao jornal do Piauí, o diretor do Sindicato dos Agentes Penitenciários, Kleiton Holanda, informou que a falta de água na penitenciária foi o motivo para que os internos realizassem a rebelião, no início da tarde desta quinta-feira (24).

Segundo o diretor, não há reféns nem detentos feridos. "Eles atearam fogo em alguns colchões, no pavilhão F, apenas para chamar atenção. Eles estão sendo monitorados através das câmeras instaladas nos pavilhões. Até o momento não há informações de que há feridos", revela.

Aproximadamente dez viaturas da Polícia Militar e Rone encontram-se no presídio. A tropa de choque também foi acionada para fazer a contagem dos presos e conter os ânimos na unidade prisional.

"A superlotação contribui para que ocorrências como essas aconteçam. Atualmente, há cerca de 118 presos aqui [no pavilhão F]. A tropa de choque agora fará a contagem e irá averiguar se há feridos entre os presos", finaliza.



Uma nova rebelião teve início por volta de 12h30 desta quinta-feira (24), na penitenciária Casa de Custódia. A informação foi confirmada pelo diretor do presídio, capitão Dênio Marinho.

O capitão Fábio Abreu, do grupamento Rondas Ostensivas de Natureza Especial (Rone), confirmou que a Polícia Militar foi acionada e o Batalhão de Choque foi enviado à penitenciária para ajudar a conter o movimento.

"Não temos muitas informações, mas nos disseram que é geral, não é apenas em um só pavilhão", disse Fábio Abreu, ao Cidadeverde.com.

O motivo da rebelião ainda não foi divulgado.


Jordana Cury e Leilane Nunes 
Flash de Cida Cardoso (Especial para o Cidadeverde.com)
Imprimir