Cidadeverde.com
Geral

Força-tarefa é criada para garantir vagas de UTI a pacientes com liminar

Imprimir

Uma força-tarefa foi instituída com o Tribunal de Justiça do Estado do Piauí para garantir o cumprimento de liminares judiciais em relação a vagas de atendimento em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) em hospitais públicos de Teresina. A medida foi tomada após um mandado de prisão expedido em Teresina, contra um médico do Hospital Getúlio Vargas (HGV), para garantir vaga de internação a um paciente, vítima de acidente de trânsito.

Fotos: Thayse Oliveira/ Cidadeverde.com

Em reunião na última sexta-feira (10), representantes do Tribunal de Justiça, Secretaria de Saúde do Município, Sindicato dos Médicos, Associação dos Intensivistas, Ministério Público Estadual e Federal, Advocacia Geral da União, Hospital Universitário e outros órgãos, decidiram formar o grupo para encontrar uma solução para o impasse atual, que é a falta de vagas de UTI na capital.

"É difícil ter um fim de semana, que não tenham pelo menos duas liminares nesse sentido. Após o incidente a corrgedoria foi procurada para que nós pudéssemos tentar encontrar uma solução. Chamamos diversas entidades médicas e representativas e chegamos a um consenso que constituiríamos um grupo para criar mecanismos para que ordens judiciais nesse sentido sejam cumpridas. Teremos a primeira reunião amanhã a noite", esclareceu José Airton Medeiros,  juiz auxiliar da Corregedoria do Tribunal de Justiça.

Para o juiz, a medida servirá apenas para garantir um direito que já é da população, mas medidas devem ser tomadas para garantir uma solução para o problema além das liminares. "Nem juntando todos os leitos de UTI dos hospitais privados, há condições de se atender todos os pacientes que necessitam de UTI no Piauí. Este foi um ponto de debate que nós entendemos que podemos dar solução imediata, mas esse grupo está sendo chamado para que em um segundo momento possamos discutir soluções para esse problema. Pretendemos ir além de resolver as liminares", concluiu o juiz.

Rayldo Pereira
[email protected]

Imprimir