Cidadeverde.com
Geral

Funcionários do IML estariam cobrando taxas para liberar corpos, denuncia diretor do GAV

Imprimir

O diretor do Grupo de Apoio à Vida (GAV) e líder comunitário, Miranda Neto, denunciou à polícia neste domingo(05) que um grupo de funcionários do Instituto Médico Legal (IML) estariam fazendo cobranças indevidas de taxas para liberação de corpos neste fim de semana. Miranda Neto afirmou que foi uma das vítimas. 

“O corpo de uma pessoa nossa região estava demorando a ser liberado, por isso resolvi ir até o IML para saber o que estava acontecendo, quando cheguei lá, a atendente disse que só fariam a higienização e aplicaria o formol se fosse paga uma taxa de R$ 300. Na mesma hora liguei para o secretário de Segurança capitão Fábio Abreu e uma assessora disse para eu não pagar e ir fazer a denúncia”, descreve Miranda, que disse que o fato aconteceu por volta das 23h30 de sábado(04). 

O diretor disse que quando a viatura da polícia chegou ao local todo mundo tinha saído. “O IML ficou vazio, a funerária tinha ido embora, os funcionários se escondido, não ficou ninguém, mas eu fui até o 4º Distrito Policial fazer o Boletim de Ocorrência e o delegado já me ligou para comparecer lá de novo amanhã(06)”, revelou.

Segundo ele, os funcionários achavam que estavam falando com uma pessoa leiga, mas ele disse sabia que há quatro anos tem uma portaria que o instituto não pode cobrar nada pelos serviços. 

“Teve família do interior que pagou R$ 500. Eu denunciei porque tem uma máfia lá dentro e ninguém tinha coragem, o próprio diretor disse que é para eu ir até o fim, porque as pessoas que denunciavam voltavam atrás com medo e eu não tenho medo. Vou denunciar na Comissão de Direitos Humanos e no Conselho Nacional de Justiça também”, declarou. Miranda disse que as pessoas lesadas devem ir até o 4º DP denunciar, levando o recibo que receberam dos funcionários. 

O secretário de Segurança, Fábio Abreu, disse que já tomou conhecimento do caso e que será aberta uma sindicância para apurar os fatos. “Não aceitamos esse tipo de coisa, se realmente tiver acontecido”, destacou o secretário ao Cidadeverde.com.

Direção IML

O Cidadeverde.com tentou contato com o diretor de IML, o médico Marcos Antônio Santos Filho, mas os telefones deram desligados.  

De acordo com Miranda Neto, o diretor garantiu que os funcionários serão afastados do órgão. 


Caroline Oliveira
[email protected]

Imprimir