Cidadeverde.com
Geral

Garotas violentadas em Castelo do Piauí estão em estado grave

Imprimir
  • 20150528044756.jpg Divulgação
  • 201505044755.jpg Divulgação
  • 2015052804755.jpg Divulgação
  • 201505280447.jpg Divulgação
  • 2015052804475.jpg Divulgação
  • 20150528044755.jpg Divulgação
  • 200528044755.jpg Divulgação

O estado de saúde de duas das quatro garotas- que viveram momentos de terror no município de Castelo do Piauí- é grave. As meninas estão internadas no Hospital de Urgência de Teresina (HUT). Elas foram agredidas com pedras e golpes de facas, além de terem sido estupradas, amarradas com as próprias roupas e jogadas do alto de um barranco. 

De acordo com uma amiga das vítimas, as garotas subiram ao morro para tirar fotos de um trabalho da escola. O crime bárbaro teria sido presenciado de longe por uma testemunha que informou a participação de três homens encapuzados. 

As vítimas têm idades entre 14 e 17 anos e foram socorridas por um lavrador que passava pelo local e foi encaminhado ao hospital em estado de choque. 

De acordo com informações do HUT, as meninas sofreram cortes nas pálpebras e rosto, além de hematomas por todo o corpo. 

O delegado gerente de Polícia no interior, Willame Moraes, afirmou em entrevista ao Notícia da Manhã, desta quinta-feira (28), que por volta das 3h, uma garota foi submetida a intervenção cirúrgica e outra submetida a exame de tomografia com suspeita de traumatismo craniano.

O diretor do Hospital de Urgências de Teresina, Gilberto Albuquerque, acrescenta ainda que as quatro meninas apresentavam, praticamente, as mesmas características de agressão, com áreas de contusão, escoriações e cortes pelo corpo. Das pacientes mais graves, a que foi submetida a cirurgia está na UTI e outra que apresentava lesões cervicais e faciais também foi operada e ainda está no centro cirúrgico. Das outras duas adolescentes, uma está na unidade semi-intensiva  e outra em uma enfermaria comum.

"Todas apresentavam sangramento pelo corpo e áreas de escoriações, lesões contusas que podem ter sido provocadas após luta corporal ou devido a queda do barranco. Elas estão em áreas isoladas e estado de pânico. Qualquer pessoa que fale, as meninas se assustam. Sofreram grande pressão psicológica", reitera Albuquerque.

 

Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir