Cidadeverde.com
Geral

Fotógrafa se inspira em ipês e cria projeto de incentivo à amamentação em Teresina

Imprimir
  • ama13.jpg Dayne Dantas/arquivo pessoal
  • ama12.jpg Dayne Dantas/arquivo pessoal
  • ama10.jpg Dayne Dantas/arquivo pessoal
  • ama9.jpg Dayne Dantas/arquivo pessoal
  • ama8.jpg Dayne Dantas/arquivo pessoal
  • ama7.jpg Dayne Dantas/arquivo pessoal
  • ama6.jpg Dayne Dantas/arquivo pessoal
  • ama5.jpg Dayne Dantas/arquivo pessoal
  • ama4.jpg Dayne Dantas/arquivo pessoal
  • ama3.jpg Dayne Dantas/arquivo pessoal
  • ama1.jpg Dayne Dantas/arquivo pessoal

A fotógrafa teresinense Dayne Dantas tem enchido as redes sociais de cor com as fotos de seu projeto "AMAmentar". Depois de se tornar mãe da pequena Lavínia, o tema da maternidade dominou seu trabalho. Ela conta que o projeto nasceu do desejo de tornar um ato de amamentar menos sexualizado e mais respeitado pela sociedade. 

Nesta primeira etapa, o projeto está sendo realizado exatamente na época da florada da árvore do ipê - também conhecida como pau d'arco e ipeúna - em Teresina. Dayne conta que as fotos pretendem que as mães sejam mais respeitadas neste momento de profundo amor com seu bebê. 

"Espero que fotografias desse tipo sejam uma constante na minha vida e que o projeto alce voos para que muitas mulheres percam a vergonha de amamentar em público. As pessoas precisam parar de sexualizar o ato e de constranger as mulheres", declarou. 

Dayne conta que as pessoas constantemente querem esconder ou fazer com que as mães sintam vergonha de alimentar seus filhos. Para ela, a situação é absurda.

"Vi no instagram algo como uma burca que mais parece uma capa de botijão de gás - horrível - para amamentar em público, escondendo o seio e o bebê e fiquei estarrecida. Nunca mataria minha filha sufocada para que ninguém a visse se alimentar, isso é absurdo", diz ela sobre o assunto. 

Dayne começou a pensar no "AMAmentar" depois de ser mãe e, certo dia, depois de passar por um ipê em flor, "pronto, nasceu ali o projeto", diz. 

Ela diz ainda que pretende dar continuidade à ideia. Após a estação da florada do pau d'arco, Dayne fará as fotografias com as mães amamentando nas águas, rementendo às práticas indígenas. Ela mesma pretende ser fotografada em um nu artístico, mas ainda está em busca de um lugar reservado para a produção. 

"Só espero que as mamães topem. Aqui em Teresina as pessoas não se abrem ao novo, ao diferente, ousado. É complicado. Mas quatro mães já fizeram e mais três agendaram. Eu quero fazer, mas tem que ser num local privado e ainda não achei", conta. 


Dayne Dantas amamenta sua filha Lavínia

Um mamaço também está entre as ações planejadas por Dayne e as mães que já participaram do projeto, mas ainda sem data definida para acontecer. 

Legislação 

Embora sem influência direta sobre o projeto de Dayne, foi sancionada no início do mês, pelo prefeito Firmino Filho, a Lei Nº 4.778, de autoria da vereadora Teresinha Medeiros (PPS), que obriga os estabelecimentos da capital a permitir o aleitamento em seus espaços, sob pena de multa. 

A lei refere-se tanto aos estabelecimentos fechados quanto aos abertos, públicos ou privados. O estabelecimento que proibir ou constranger o ato de amamentação em suas instalações estará sujeito a multa no valor de R$ 500. 

O objetivo é incentivar e proporcionar ambiente tranquilo para que as mães possam permanecer amamentando os filhos. O Ministério da Saúde e a Organização Mundial de Saúde (OMS) ressaltam que o leite materno pode fazer diferença na vida da criança, fortalecendo a imunidade e protegendo o organismo do recém-nascido.

 

Maria Romero
[email protected] 

Imprimir