Cidadeverde.com
Política

Governador diz que duplo homicídio no CEM foi impossível de ser evitado

Imprimir

O governador do Piauí, Wellington Dias, declarou que o duplo homicídio registrado no Centro Educacional Masculino (CEM) foi um fato imprevisto e impossível de ser evitado. Ele associou as mortes a um desentendimento entre os próprios adolescentes e prometeu adotar novas medidas.

Na noite do último dia 19, Kelson Wendel Sousa Gomes e Júnior Alcino Gomes, de 17 anos foram assassinados no CEM, na zona Norte de Teresina. Os dois menores eram de Parnaíba, a 320 quilômetros da capital, acusados de homicídio e morreram após sofrerem várias perfurações. Três internos assumiram a responsabilidade dos crimes e estão internados por latrocínio. Todos estavam na ala considerada mais tranquila do CEM.

"Ao contrário do que aconteceu no caso da morte do Gleison Vieira, onde comprovamos falha humana e por isto afastamos a direção, desta vez, as regras foram cumpridas e mesmo assim não foi possível evitar novas mortes no CEM. É lamentável que tenha acontecido e nos remete a adotar novas medidas", comentou.

Questionado sobre os problemas de superlotação e falta de estrutura na unidade, Wellington Dias disse que participou de uma reunião nessa semana com o secretário de Assistência Social e Cidadania, Henrique Rebelo e que a pauta principal do encontro foi a melhoria no sistema para ressoalização dos adolescentes.

"Além da ampliação do CEM que já foi autorizada, queremos criar novas unidades socioeducativas em todas as regiões do estado e descentralizadas do Centro Educacional Masculino. Este assunto estou discutindo com o Ministério do Desenvolvimento Social", comentou Wellington Dias.

A Secretaria da Assistência Social e Cidadania disse que todas as medidas necessárias exigidas pela justiça para melhorar o CEM estão sendo tomadas, como a aquisição e distribuição de colchões para todos adolescentes, a reativação das atividades de lazer e o início de cursos profissionalizantes.

Na próxima sexta-feira (25), uma reunião entre o MP, Sasc, Defensoria e Justiça será realizada para que a secretaria apresente prazo para cumprir as medidas já exigidas pela Justiça, sendo uma delas a reforma imediata do CEM.

Da redação
[email protected]

Imprimir