Cidadeverde.com
Geral

Dia de Finados: Cemitérios em Teresina registram falta de água e focos de incêndio

Imprimir
  • cemiteriod1.jpg Roberta Aline
  • cemiteriod.jpg Roberta Aline
  • 20151102054205.jpg Roberta Aline
  • 20151102054205_(1).jpg Roberta Aline
  • 20151102050643.jpg Roberta Aline
  • 20151102054801.jpg Roberta Aline
  • 20151102050656_(1).jpg Roberta Aline
  • 20151102050700.jpg Roberta Aline
  • 20151102050703.jpg Roberta Aline

Pelo menos oito mil pessoas são aguardadas para visitar seus entes queridos no cemitério São José, na zona Norte de Teresina, neste Dia de Finados. Uma das preocupações da administração é com focos de incêndio dentro do cemitério. A grande quantidade de velas acesas, muitas estruturas de madeira e o vento constante deixam as pessoas em alerta. 

Carlito Rodrigues, administrador do cemitério, precisou acionar os funcionários, depois que os visitantes alertaram sobre um foco de incêndio próximo a um dos túmulos. O fogo foi controlado. Ele destacou ainda que no Dia de Finados, pela visitação intensa, é preciso estar sempre atento. 

"Temos aqui 8.700 covas, sem mais espaço. aguardamos pelo menos 8 mil pessoas e temos que ter muito cuidado com todos, porque a movimentação é intensa. Não temos registro de vandalismo ou depredação, porque desde 2010 temos uma segurança armada para a proteção dos túmulos", disse o administrador. 

No cemitério São Judas Tadeu, no bairro São João, Zona Leste de Teresina, a movimentação é intensa e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) precisou interromper o fluxo de veículos na altura da rotatória do São Cristovão, no sentido centro-leste. A medida gerou insatisfação em alguns dos visitantes. 

"Achei um absurdo terem fechado dessa forma. Tivemos que estacionar muito longe e ir caminhando sob o sol forte e tendo que atravessar a avenida sem orientação da Strans. Não precisava ter fechado dessa forma. Entendo que a intenção possa ter sido boa, mas não melhorou", declarou Rodrigo Braga, adminstrador de empresas. 

Francoise Fontenele estava com a mãe, que tem 67 anos, e disse que achou muito perigoso ter que atravessar a avenida na altura da rotatória, com uma pessoa idosa. "Meu filho tem seis anos e consegui arrastar ele, mas minha mãe precisou correr. Achei desnecessário", disse. 

O inspetor Welendal Tenório informou que a medida foi tomada para garantir a segurança de pedestres no entorno do cemitério. "Como a região é muito movimentada, achamos melhor interrromper o fluxo. Basta fazer a volta por trás do Banco do Brasil e acessar o primeiro retorno da avenida João XXIII. O trecho ficará interditado até às 18h", explica. 

O administrador do São Judas Tadeu orientou que os visitantes levem suas garrafas de água, pois devido a um problema de abastecimento na região, não há agua no local. Ele disse que espera a visita de 10 a 12 mil pessoas. No cemitério há 5.500 covas.

"As pessoas devem trazer suas garrafas de água, pois há alguns dias estamos com esse problema na região. Não é algo isolado do cemitério. Com esse calor, é importante que as pessoas não deixem de trazer sua água", disse ele. 

A visitação no local ocorre de forma tranquila. Equipes de funcionários do cemitério e policiais militares garantem a limpeza e segurança. Para evitar focos de incêndio, o cemitério está sendo mantido limpo, sem mato e sem caixas de vela. 


Flash Maria Romero
Redação Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir