Cidadeverde.com
Geral

PSTU inicia campanha em ocupação na zona Norte e critica regras eleitorais

Imprimir
  • 9f2bc704-d627-4258-89c1-e5770f3f8726.jpg Thiago Amaral
  • 40b215e1-9818-4757-9f09-107a5aa7961c.jpg Thiago Amaral
  • 88d584bd-d071-40ae-b5e4-8d6e723f2732.jpg Thiago Amaral
  • 2925f5d4-5b3f-46b3-be3a-63abce4d2156.jpg Thiago Amaral
  • 54236f06-eff7-4055-9615-7dfb0865d412.jpg Thiago Amaral
  • 54813341-2333-4e89-ae06-422e27c5a825.jpg Thiago Amaral
  • a5227263-74a1-4fa5-8b0b-267649977818.jpg Thiago Amaral
  • ecd2ff1a-c864-46a7-9e66-3acb1901a03e.jpg Thiago Amaral
  • fbe7471f-8761-4fb9-b370-49a3d9605e6a.jpg Thiago Amaral

A candidata à prefeitura de Teresina pelo PSTU, Luciane Santos, iniciou a campanha eleitoral na manhã desta terça-feira (16). O local escolhido pelo partido foi uma ocupação localizada no residencial Jacinta Andrade, zona Norte de Teresina. A ocupação já dura três meses e é formada por cerca de 140 famílias. A candidata declarou que as novas regras eleitorais prejudicam os menores partidos, como o PSTU. 

"Estamos iniciando a nossa campanha agora e escolhemos esse local porque o PSTU está acompanhando desde bem antes da registratura. Estamos apoiando essa mobilização pelo que há de mais básido, que é a moradia digna para todos", disse. 

A escolha pelo 16 de agosto para lançar a campanha foi pensada também por ser o dia nacional de lutas. De acordo com a candidata, o Brasil inteiro, entidades sindicais e partidos de esquerda estão mobilizados lutanto contra os projetos de lei que vêm no sentido de retirar os direitos dos trabalhadores. 

"Nós temos, por exemplo, o PL 257, que ataca brutalmente os direitos da classe trabalhadora. Com o congelamento dos salários e mexendo no fator previdenciário", declarou. 

Além disso, Luciane criticou as novas regras das eleições municipais. Ela falou que apesar de haver a proibição de financiamento por empresas, as regras permanecem sendo antidemocráticas. A candidata questionou ainda a fiscalização do limite de gastos dos grandes partidos, assim como o tempo destinado a cada sigla nas campanhas televisivas. 

"É algo bem antidemocrático, porque os partidos pequenos são os mais atingidos, já que temos pouco tempo nos veículos de comunicação e nos debates. Enquanto os grandes partidos, que são financiados por empresas e têm grande representação no Congresso, terão mais tempo de colocar os seus projetos. Os partidos têm cerca de R$ 2 milhões para gastar nas campanhas. A gente sabe que são os grandes partidos que têm esse dinheiro. Então será mesmo que há uma investigação efetiva de caixa dois e compra de voto? Diferente disso, a nossa campanha é algo bem simples e de acordo com a realidade da classe trabalhadora", disse. 

Durante a visita à ocupação, ela estava acompanhada do seu candidato a vice-prefeiro, Dowglas Bezerra, e do candidado a vereador de Teresina, Geraldo Carvalho

 

Carlienne Carpaso (Flash)
Maria Romero (Redação)
[email protected]

Imprimir