Cidadeverde.com
Últimas

Vaqueiros do Piauí levam cavalos para protesto contra fim da vaquejada

Imprimir
  • vaq1.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • vaq2.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • vaq3.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • vaq4.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • vaq5.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • vaq6.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • vaq7.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • vaq8.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • vaq9.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • vaq10.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com

O Piauí é um dos estados do Nordeste que protestam, nesta terça-feira (11), contra a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). A corte decidiu pôr fim às competições de vaquejada no estado do Ceará. Embora trate de um caso específico, a medida cria jurisprudência e abre caminho para que a festa seja proibida em outros estados do país, onde é tradicional. No Piauí, cerca de 100 vaqueiros levaram cavalos para a avenida. 

"Com essa manifestação a gente pretende fortalecer e mostrar realmente o que é a vaquejada para o Brasil. Essa manifestação não é só no Piauí, mas no Nordeste todo. A vaquejada hoje cresceu e está no Sul, Sudeste e em todo o país. Não podemos deixar que o Judiciário passe uma borracha na nossa cultura, na nossa tradição. O Nordeste todo foi desbravado por vaqueiros e agora querem nos colocar uma situação que vaqueiro e vaquejada não existem mais", disse o presidente da Associação dos Vaqueiros Amadores no Piauí, Ravi Lages. 

Em Teresina, a cavalgada acontece na avenida Marechal Castelo Branco. Em todo o Estado, cinco cidades aderiram ao protesto. 

Mesmo com a decisão do STF, as vaquejadas continuam acontecendo no Piauí. Ravi Lages conta que os vaqueiros pretendem recorrer ao Ministério Público. Segundo ele, a solução seria a regulamentação da atividade.

"A vaquejada moderna é muito preocupada com o bem-estar animal. Os movimentos ativistas é que são muito radicais e querem alterar tudo. Por exemplo, eles falavam de uma mutilação do rabo do boi e hoje nós usamos um protetor de cauda, veterinários disponíveis durante as vaquejadas", defende. 

Ravi Lages acrescenta também que a  atividade esportiva gera emprego e renda. "São várias pessoas que vivem direta ou indiretamente da atividade. A vaquejada é o esporte forte do Nordeste.O respeito a cultura e a tradição tem que ser acima de tudo", finaliza Lages. 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Imprimir