Cidadeverde.com
Geral

Anderson Pinho disse que diferencial da campanha é não ter "rabo preso" com ninguém.

Imprimir

No quadro Fala Candidato desta sexta-feira (12) do Jornal do Piauí, candidatos a prefeito da cidade de Campo Maior debateram vários temas. O candidato Anderson Pinho, do PSOL, falou sobre educação, saúde, infra-estrutura, economia, setor produtivo e a diferença entre os candidatos.

No quesito educação o candidato defendeu especialização dos professores, infra-estrutura e transporte. "Nosso foco será na formação do professor, na infra-estrutura dos colégios e  nos transportes dos alunos da zona rural para a zona urbana. A educação está andando a passos lentos, deixando muito a desejar.
 

Anderson Pinho defendeu a melhoria na humanização do atendimento da saúde e a implementação do plano de cargos e salários. "Iremos melhorar o atendimento. Recebemos reclamações de funcionários mal-humorados, que destratam a população. Vamos melhorar o ambiente de trabalho e a remuneração dos funcionários públicos para que eles se sintam incentivados a trabalhar. Em Campo Maior não existe o plano de cargos e salários, vamos implementá-lo".

As prioridades defendidas na infra-estrutura pelo candidato do PSOL são o calçamento, o saneamento básico e o turismo. "Vamos deixar a cidade mais receptiva para o turismo. Vamos fortalecer os programas existentes e desenvolver novos, como o eco-turismo. O calçamento é um caso grave em Campo Maior. Falta o mínimo, que é o calçamento e o saneamento básico. Iremos resolver esses problemas. Queremos fazer o básico".

Em relação à economia e ao setor produtivo, Anderson Pinho, defendeu um total apoio ao homem do campo. "Vamos dar total apoio ao homem do campo, não só o apoio financeiro, como também o apoio técnico. Iremos estudar a possibilidade de instalação de uma usina de reciclagem para gerar empregos diretos e indiretos e resolver um problema da cidade que poderá poluir os lençóis freáticos de campo Maior".

O candidato do PSOL à prefeitura de Campo Maior falou da diferença entre os candidatos. "Temos um ex-prefeito que não fez nada. Tem até uma piada que diz assim; quer saber como acabar com uma cidade sem jogar uma bomba atômica, pergunte a ele. Outro candidato, se candidatou às pressas, não tem nem candidato a vereador. Tem um que vem de um partido sem identidade. O atual prefeito fez algumas coisas na cidade, mas há muita corrupção. Ele é um dos prefeitos que se ganhar vai passar 16 anos no poder. Nossa campanha é uma campanha limpa e simples. Se chegarmos na prefeitura não teremos "rabo preso" com ninguém. Esse é o diferencial da nossa campanha".
 
Da redação
Imprimir