Cidadeverde.com
Política

LDO 2018 é discutida na Alepi e governo diz que precisa de "plano B"

Imprimir
  • ad4d29fb-7474-456a-97ac-336a4c6736a2.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • ac09424c-7dca-4b17-aff4-801b65202fad.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • a21b936f-441e-4331-9757-566441f7bbf1.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 52680246-9ebc-48ca-ab35-9d54754e0f5e.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 33127321-33e9-4be2-bd66-ac44b0f70a57.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 07563d1b-7976-4e5c-bae8-91afb0b7afba.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 800ce51d-b1bd-4cf5-84dd-7ac9b4e91a0f.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 785f9045-1dc7-4e2b-8f9d-dd712f2ad027.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 83a42ce3-4cc2-44c9-b1d5-5667ca01d059.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 8b9811e5-221f-4d27-a826-aca9e51711c3.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 1bf0a8e2-ae46-4669-9066-190b4b71ff56.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 0a1b7287-a027-4e8a-b4ba-99d93100726f.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com

Na audiência pública para tratar sobre a Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2018, que aconteceu na Assembleia Legislativa do Piauí nesta quarta-feira (31), foi discutida a situação econômica do Estado em meio à crise econômica. 

A reunião aconteceu na Comissão de Finanças e o secretário de Administração do Estado, Franzé Silva, defendeu que o governo crie um "plano B" para lidar com as finanças do Piauí, que passam por um momento delicado, como em todo o resto do país. "É preciso de uma reunião de esforços com cada um dos poderes". 

Franzé também sugeriu que seja montado um fórum permanente para discutir a LDO e os investimentos do executivo estadual. "Minha sugestão é criar esse fórum de discursão para tratar sobre as despesas continuadas, para amadurecer os encaminhamentos e dar os melhores rumos quanto às finanças em 2018. O ano que vem será um ano difícil e a gente precisa estar permanentemente discutindo as saídas para a crise que se apresenta". 

O secretário reafirmou que a previdência também é um problema que precisa de atenção do Governo. Para ele, uma das soluções é a incorporação da PREV Nordeste ao âmbito do Piauí, que é um consórcio em fundo de previdência complementar. 

"A previdência vai ser o nosso calcanhar de Aquiles e precisamos discutir e discutir e discutir. Temos que pensar no desenvolvimento de riquezas no Estado, como uma das saídas pra que o que seja gerado em recursos com riquezas como minérios ou pré-sal, seja em parte revertido para financiar a previdência".                        

O secretário de Planejamento do Piauí, António Neto, fez uma explanação sobre só dados referentes às finanças e economia estadual, mostrando um panorama para os próximos anos.

Atraso de salários

Apesar de o governador ter dito que está reduzindo os investimentos para não atrasar a folha, o superintendente do Tesouro Nacional no Piauí, Emílio Borges, destacou que a situação do Estado é gravíssima e que há o risco de atraso de salários, sobretudo se operações de crédito não forem liberadas. 

"Com todas as dificuldades que o Estado enfrenta, com as maiores fontes que são o FPE e o ICMS a gente está conseguindo manter somente a máquina funcionando e pagando a folha, as dívidas públicas, fazer o repasse aos poderes, pagar o custeio da máquina e minimamente fazer algum investimento. Não há recursos para fazer obras em infraestrutura", esclareceu. 

De acordo com ele, as operações de crédito são importantíssimas para que o Tesouro estadual possa manter a máquina funcionando. "Quando digo que há um desequilíbrio é nesse sentido de que não temos recursos para obras em infraestrutura. Então não descartamos os atrasos de salários, embora todos os esforços e o foco principal seja manter o pagamento da folha. Não podemos dizer que não há dificuldades em relação a isso", complementou.

Emilio Borges disse também que eventuais recursos de operações de créditos que possam ser destinados a obras e projetos desafogariam o Tesouro para que pudessem ser feitos investimentos em outras áreas.


Flash de Lyza Freitas
[email protected]

Imprimir