Cidadeverde.com
Política

No Piauí, presidente nacional do PSC diz que não apoiará candidatura do PT

Imprimir
  • f849e9d4-006d-4122-b556-e8517adaccc2.jpg Lyza Freitas
  • f7a27073-ae64-4aa8-9a75-4f5fa8877129.jpg Lyza Freitas
  • d459dc02-3c32-4e39-addd-6e0b653e8fd8.jpg Lyza Freitas
  • d404c37a-b73a-414f-828f-d43349b0a2c6.jpg Lyza Freitas
  • 7a2d437e-c8ac-46c6-a3b1-8ea3ddd97551.jpg Lyza Freitas
  • 02bdf092-6859-4236-bb66-f07c9ae83ca7.jpg Lyza Freitas
  • 1e0c750e-bbd5-4496-972f-744188fa940c.jpg Lyza Freitas

Em Teresina nesta sexta-feira (28), o presidente nacional do PSC, pastor Everaldo Pereira, foi enfático ao afirmar que o partido não vai apoiar qualquer que seja a candidatura do PT, tanto em âmbito nacional como estadual. 

Everardo participa hoje do Seminário Estadual do PSC, que acontece na Câmara de Teresina e disse que o partido vai lançar candidatura própria em 2018 para a presidência da República. No estados, ele contou que a sigla vai trabalhar por candidaturas a deputados federais e estaduais, e onde for possível para senador e governador. 

"Como regra geral, o PSC não estará apoiando nenhum governo do PT. [...] Estamos nos organizando e preparando o partido para ter candidatos a deputados federais e estaduais e onde for possível, termos para senador e governador", destacou. 

No Piauí 

Sobre a possibilidade de lançamento de candidatura própria no Piauí, o presidente estadual do PSC, Tiago Vasconcelos, esclareceu que a sigla está discutindo internamente e com outros partidos que tenham o mesmo alinhamento sobre a viabilidade da apresentação de um nome novo para concorrer ao governo. 

Além disso, ele endossou as palavras do presidente nacional ao dizer que a tendência da legenda é continuar como oposição ao governo Wellington Dias (PT).

"Acredito que temos que buscar e ter uma alternativa para o Estado e quem sabe dentro desse grupo possa se lançar uma candidatura majoritária. A gente precisa dar outra opção, pra não ficar só esse lado A e lado B, para que o povo tenha opções e possa avaliar melhor e fazer a escolha", ressaltou.

Tiago acrescentou que se não for encontrado, após as discussões, um bom nome para concorrer, o partido vai definir os melhores apoios de outras siglas que pode ter em 2018, a fim de fortalecer as candidaturas de deputados federais e estaduais.


Lyza Freitas
[email protected]

Imprimir