Cidadeverde.com
Viver Bem

Conheça as 5 vantagens de uma noite bem dormida

Imprimir

1. Previne gripes e resfriados

Quando nos privamos do sono o corpo se sente sem energia e, assim, fica vulnerável à infecção. “Enquanto dormimos, o hormônio do crescimento GH (growthhormone), entre tantos outros que têm ação anti-inflamatória e o poder de aumentar a resposta imunológica, são liberados”, explica Alfredo Lara, otorrinolaringologista do Hospital CEMA (SP). Dessa forma, dormir melhora o mal-estar de um resfriado e pode combater sua aparição.

2. Protege da obesidade

Para quem busca eliminar alguns quilinhos na balança é fundamental dormir bem. Segundo um estudo da Universidade de Columbia (EUA), quem tem uma noite de sono menor do que quatro horas aumenta em 73% a chance de se tornar obesa. “A privação de sono desregula os hormônios de fome e saciedade, respectivamente grelina e leptina, aumentando a produção do primeiro e diminuindo a do segundo. Com isso, come-se mais, aumentando a taxa de massa corporal”, alerta Lara.

3. Mantém a saúde cardíaca

Sabe-se que a carência de sono bem como distúrbios respiratórios, como a apneia, podem promover diversas doenças cardiovasculares por sobrecarregar a função do coração. Já uma boa noite de sono contribui para a melhora nos níveis de hipertensão arterial, diminui o risco de infarto, de acidente vascular cerebral entre outras doenças.

4. Controla a glicemia

Pesquisadores da Universidade de Chicago (EUA) alertam que dormir menos de cinco horas por noitediminui a ação da insulina no organismo. É como se o corpo criasse uma resistência a ela. Nesse caso, em indivíduos com predisposição à doença aumentam-se os níveis de glicemia, assim como de triglicérides e colesterol.

5. Saúde mental em dia

“O sono faz uma faxina e organiza as funções cerebrais”, pontua Lara. “Consolida-se a memória, fica-se menos ansioso, irrequieto, diminuem-se os transtornos de humor, como depressão e ansiedade.” Tudo isso, porque é no sono que as células fazem as reparações necessárias no organismo.

 

Fonte: Revista Vivva saúde

Imprimir