Cidadeverde.com
Política

Joesley só deve entregar novas gravações se delação for mantida

Imprimir

Marcelo Chello/CJPRESS/Estadão Conteúdo

Acusado de omitir informações de seu acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF), o empresário Joesley Batista admitiu aos investigadores possuir outras gravações, estas ainda não entregues à Justiça até o momento. Segundo a coluna Painel, do jornal Folha de S.Paulo, o empresário avisou aos investigadores que só vai entregar o material se o acordo de colaboração da JBS, do grupo J&F, for mantido. O acerto com os procuradores foi suspenso neste final de semana.

Pela delação fechada inicialmente e homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Joesley teria direito a imunidade total e não precisaria ficar um único dia preso pelos crimes que confessou. Naquele momento, ele entregou um primeiro “lote” de gravações, que incluía conversas no mínimo constrangedoras com o presidente Michel Temer (PMDB) e o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

O inicio do processo de revisão de acordo começou com a entrega de um novo áudio, uma conversa entre o empresário e o diretor da JBS Ricardo Saud, que levantou suspeitas sobre omissões voluntárias na delação. Na avaliação de Joesley, diz a Folha, o áudio não continha crimes e, portanto, ele não seria obrigado a entregá-lo, além do que o ministro Edson Fachin, relator do caso no STF, havia dado, no dia 1º, mais 60 dias para complementar a colaboração.

Na sexta-feira, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a suspensão do acordo de delação e a prisão de Joesley Batista, Saud e do ex-procurador Marcelo Miller. Janot considerou que houve má-fé dos colaboradores, sobretudo a respeito da possível atuação de Miller, então no Ministério Público, assessorando os delatores da JBS.

Diante do pedido do procurador, o ministro Fachin considerou as prisões temporárias, por cinco dias, de Joesley e Saud necessárias para a continuidade das investigações, com o cumprimento de novas diligências. Em relação ao ex-procurador, o magistrado considerou que não haviam elementos suficientes para que ele fosse preso nesse momento.

Fonte: Veja

Imprimir