Cidadeverde.com
Geral

Sejus encontra túnel de 6 metros em pavilhão da Irmão Guido

Imprimir
  • e383b5a1-e759-4011-a75b-2010ddb03dfc.jpg
  • bacc8993-2996-4690-a725-eabdb48f3cb8.jpg
  • 6988212a-d957-4bb5-b4c9-3a7264cd8649.jpg
  • 362f2515-cd19-413c-b9b8-09d7b7a9daa3.jpg
  • 10de7ad1-2d4b-40ca-a5f8-d706d1434799.jpg
  • 6d136acc-61c7-4ecb-bf77-6a53d34cf0fc.jpg
  • 3a10a874-60e2-4006-a53c-97f544d10b90.jpg
  • 2bd174b3-e5fa-49b7-b7bc-c584b5a3be41.jpg

Uma tentativa de fuga foi abortada da penitenciária Irmão Guido, na BR-316, na manhã de ontem(12). As fotos do túnel feito pelos detentos foram divulgadas nesta quarta-feira(13) e é possível ver que o buraco começava dentro de uma cela e terminava do lado de fora do pavilhão. 

As informações de que os presos estavam cavando um túnel chegaram ao serviço de inteligência da Secretaria de Justiça, que aguardou o banho de sol no pavilhão Delta para enviar o grupo de intervenção tática, que constatou o buraco na cela 18 e ainda outras três grades serradas. 

“Estava tudo preparado e eles ainda tentaram sair, mas resolveram voltar porque já tínhamos policiais militares do lado de fora, monitorando. Estavam aguardando a melhor oportunidade, mas conseguimos agir rápido e abortamos a fuga em massa”, destaca o tenente coronel Luís Antônio Pitombeira, da Diretoria de Inteligência e Proteção Externa da Secretaria de Justiça do Estado (Dipe).

Ele revelou que esta é a quarta tentativa de fuga abortada neste mês no mesmo presídio. “A tradição das tentativas de fuga na Irmão Guido são por túneis, por conta da estrutura, mas estamos reforçando com pedras e concretos toda vez que um buraco é aberto e reformando os pavilhões a medida que é possível, pelo grande número de presos”, destaca. 

No pavilhão onde o túnel foi encontrado havia cerca de 160 detentos. O buraco tinha cerca de 60 centímetros de diâmetro e de cinco a seis metros de profundidade até o lado de fora. Começava debaixo da cama, passava pelo banheiro. “Eles mesmo confessam que se tiver gente para ajudar a cavar e material para usar, abrem o buraco em três horas”, afirmam o coronel Pitombeira.


Caroline Oliveira
carolineoliveira@cidadeverde.com

Imprimir