Cidadeverde.com
Política

Após pressão de empresários, projeto que aumenta impostos é suspenso

Imprimir
  • ccj11.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • Untitled-1.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • jd.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • bf00846a-4642-475e-a9f9-fcc45995779d.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • adbe3317-ee88-4338-8655-660e2634a4d0.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • a4729bf3-9762-418c-8611-9457208bef5d.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 25751014-e09b-4b92-8b9b-329c41c7cea4.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 3967046a-e810-42e5-96bd-bee5f51c7c31.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 40411d6a-90ab-4b1a-8ed5-1cc12d37b942.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 5589da24-7f60-4dc7-8595-adb8d2d0ec14.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 5196be11-9687-418e-861e-a80da7b247de.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 959c82fb-6fc6-45f9-a69e-0696f729421a.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 955f07b2-1362-497d-86f5-ad90625976fc.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 80d88176-99a7-4f2a-95eb-ed2c4826716f.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 70d1fec1-b61d-4856-a5fa-9265ebda62b0.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 40b1b271-c3d4-4379-8631-29adc9426b94.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 26e3fb26-d394-4f38-97d6-46b8a0f1b110.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 9fb2d012-5e36-4d96-87b4-4135bb3c15d4.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 8f78b1f1-620d-45b0-b754-3d5062bfd0c4.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 3a305d15-d062-4ee3-97d1-836a8cac5882.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 03deac3e-e215-4a59-acf6-2fec66556c1e.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 2af93d0c-b4a7-42b2-8d32-1416050f330b.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 1c6064c3-d360-4335-a8fd-a70a2caafd5d.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com

Atualizada às 11h15

Após forte pressão da oposição e do empresariado, o projeto foi retirado de pauta e suspensa sua tramitação na Casa. 

Em nome do setor empresarial, o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de Teresina(Sinduscon), empresário André Baía, falou de forma exasperada que o projeto não pode ser aprovado da forma que está.

"Não é possível se aumentar alíquota de cobrança de energia que já foi aumentada em 27% na semana passada. A classe empresarial quer deixar um recado de que esse projeto afeta todo o Piauí. O problema não é só da classe empresarial, é dos piauienses. Temos que reagir a isso. Esse projeto não ode passar do jeito que está", defendeu. 

O deputado João de Deus disse que o governo vai dialogar e que haverá uma reunião com os diversos setores que são contra a aprovação do projeto, para que se discuta melhor a proposta e que se tente chegar a algum consenso de alteração.

Matéria original

A pressão de representantes do setor empresarial do Piauí, durante a reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa fez com que o projeto que aumenta a alíquota de impostos de diversos produtos e serviços, do governo do Estado, fosse retirado de pauta. Os presidentes da Federação das Indústrias do Piauí (Fiepi), Zé Filho, do Sindicato da Indústria e Construção Civil (Sinduscon), André Baia e da Câmara de Dirigentes Logistas (CDL), Evandro Cosme são alguns dos empresários contrários ao projeto que vai incidir sobre combustíveis, energia elétrica e comunicações. 

Todos os setores mostram-se totalmente contra a aprovação do projeto que foi enviado em caráter de urgência. Em razão das duras críticas e da polêmica que a matéria tem causado, o presidente da CCJ, Evaldo Gomes, retirou a matéria da pauta de votação desta terça-feira(10). 

O deputado João de Deus (PT), líder do governo na Alepi, solicitou que seja realizada uma reunião em outra data, para que a questão possa ser melhor discutida. O deputado Rubem Martins foi contra o pedido, e solicitou, ao contrário, que seja realizada uma audiência pública para debater a proposta "em respeito ao povo do Piauí", sendo aplaudido e apoiado pelos presentes. 

De acordo com a proposta, o Governo do Estado quer aumentar o Imposto sobre Operações de Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) a ser cobrado a partir de 2018, o que deve implicar em reajuste do preço de produtos e serviços. A matéria também promove anistia de multas e juros para débitos de ICMS e IPVA.

Veja o qe diz os empresários: 

 

Lyza Freitas

[email protected]

Imprimir