Cidadeverde.com
Geral

Hospitais recusam proposta e suspendem atendimento ao Iaspi e Plamta por tempo indeterminado

Imprimir

A rede de clínicas, hospitais e profissionais credenciados pelo Instituto de Assistência à Saúde do Servidor Público do Estado do Piauí (Iaspi), anigo Iapep, decidiu, nesta quarta-feira (11), manter a decisão de suspender os atendimentos de servidores públicos nos planos Iaspi Saúde e Plano Médico de Assistência e Tratamento (Plamta). O Governo do Estado apresentou um novo cronograma de pagamento pelos procedimentos realizados, mas a categoria não aceitou. 

O Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde e Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas do Estado do Piauí (Sindhospi) havia dado prazo até ontem (10) para que o pagamento dos procedimentos de julho fosse realizado. A entidade informou ao Cidadeverde.com que o pagamento de junho é que foi concluído nesta semana, contrariando outro cronograma firmado em negociação com o Governo do Estado.

Pela manhã, o Sindhospi anunciou a suspensão dos atendimentos. Para tentar superar a questão, foi realizada uma reunião na Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), com representantes do sindicato e a diretora-geral do Iaspi, Daniele Aita, na qual foi proposto um cronograma de pagamento: o mês de julho seria pago de 23 a 27 de outubro; agosto seria pago de 13 a 17 de novembro; e setembro com pagamento a ser feito entre 27 e 30 de novembro. 

"O IASPI acredita que o Sindhospi, diante desse esforço da administração e do próprio secretário para manter o pagamento em dia, vai também manter o atendimento da rede credenciada ao IASPI/Plamta", diz nota divulgada pelo instituto após a reunião. 

O presidente do Sindhospi, Jefferson Campelo, informou ao Cidadeverde.com que a proposta foi recusada. "O cronograma já existe. A proposta é que seja cumprido o cronograma anteriormente acordado", declarou. 

"Não é intransigência nossa, a gente quer resolver o problema. Por outro lado, nós não temos alternativa, não temos como suportar esse atraso", acrescentou o presidente do sindicato, alegando que a rede credenciada precisa dos recursos para continuar prestando atendimento. "A paralisação é para sobrevivência. Eu não posso prestar o serviço em junho e receber em outubro".

Suplementação orçamentária
O Governo do Estado abriu, na última segunda-feira (9), um crédito suplementar de R$ 21 milhões em favor do Iaspi, que confirmou ao Cidadeverde.com que a verba chegou para o pagamento dos hospitais. São R$ 7 milhões para o Iaspi Saúde e R$ 14,2 milhões para o Plamta.

O Cidadeverde.com questionou o Sindhospi sobre se o valor da suplementação orçamentária seria suficiente para quitar o débito com os hospitais. Jefferson Campelo acabou sendo informado do repasse pela reportagem. Ele estima que o recurso seria suficiente para o pagamento referente a julho. Contudo, como o Governo propôs pagar o mês somente a partir do dia 23, o presidente do sindicato crê que a verba tenha sido usada para quitar os débitos de junho. 

O plano Iaspi Saúde abrange atendimentos ambulatoriais e conta com 172 mil beneficiados no Piauí. O Plamta, voltado para internações, possui 200 mil cadastrados. Só a rede do Iaspi conta com 1.500 hospitais, clínicas e profissionais credenciados. 

Fábio Lima
fabiolima@cidadeverde.com

Imprimir