Cidadeverde.com
Política

Alckmin não descarta possibilidade de assumir presidência do PSDB

Imprimir


Alckmin e Doria, na convenção estadual do PSDB Foto: Amanda Perobelli/Estadão

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) não descartou a possibilidade de assumir a presidência do PSDB, após negar esse cenário de forma contundente nos últimos dias. Com a destituição do senador Tasso Jereissati (CE) do comando interino da sigla, na última quinta-feira, o nome do governador foi levantado por tucanos importantes, como o ex-senador José Aníbal, presidente do Instituto Teotônio Vilela, e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

"Temos dois pré candidatos. Vamos aguardar. Essa é uma decisão coletiva do Brasil inteiro", disse Alckmin. Além de Tasso, que se declarou candidato na última quarta-feira, o governador de Goiás, Marconi Perillo, também declarou que vai concorrer à presidência do PSDB, que será escolhida em convenção do partido no dia 9 de dezembro.  

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), disse neste domingo, 12, que defende Perillo para presidir a sigla,  mas "se for necessário" que o governador de São Paulo Geraldo Alckmin assuma o comando da sigla como terceira via "será bom para o partido". 

"Se for necessário que o governador Geraldo Alckmin assuma a presidência do PSDB  como um tercius será bom para o partido", disse o tucano. "Continuo apoiando Marconi Perillo para a presidência do PSDB."

Presidente reeleito do PSDB de São Paulo, o deputado estadual Pedro Tobias fez um discurso exaltado e "conclamou" Alckmin para presidir o partido. "Geraldo, você é a única pessoa que pode dirigir o partido. O PSDB precisa de você", disse, ao lado do governador. 

Nesta semana, o senador Aécio Neves (MG), presidente afastado do partido, destituiu Tasso da presidência interina. A justificativa do mineiro é dar isonomia à escolha do próximo presidente do PSDB, em dezembro, uma vez que Tasso se candidatou ao cargo. 

Com a saída de Tasso, assumiu, interinamente, o ex-governador Alberto Goldman. A disputa pelo comando da legenda levou à maior crise interna do PSDB. 

 

Fonte: Estadão 

Imprimir