Cidadeverde.com
Política

Jeová nega conflito com Firmino e diz que eleição foi ato administrativo

Imprimir

O presidente reeleito da Câmara Municipal de Teresina, Jeová Alencar (PSDB), negou divergências com o prefeito Firmino Filho que teriam culminado na eleição relâmpago realizada nesta quinta-feira (16) na Casa. O pleito foi antecipado em mais de 1 ano e teve como resultado 17 votos a favor de Jeová. Outros 12 parlamentares faltaram. Nos bastidores especula-se que a ausência teria sido a pedido do prefeito.

“O prefeito Firmino Filho tem todo o nosso respeito. Eu sou do PSDB e quem me conhece sabe que eu tenho uma boa relação com o prefeito. Tenho muito admiração por ele e me sinto parte do grupo político do prefeito Firmino. O que aconteceu hoje na Câmara foi nada mais do que um ato administrativo da Casa. Isso acontece em qualquer Casa legislativa”, garantiu o vereador em entrevista à TV Cidade Verde.

Jeová disse que soube através da imprensa a informação de que Firmino teria mandado mensagem para os vereadores de sua base aliada faltarem à sessão. “Soube através dos meios de comunicação. Nenhum vereador me disse que não ia votar em mim porque o prefeito pediu. Alguns não foram por estarem viajando por conta do feriado e outros por que não queriam votar. A gente respeita. Agradeço os que votaram em mim e respeito aqueles que divergem”, declarou.

O presidente disse que seu nome foi colocado para disputar o pleito a pedido dos vereadores, e ressaltou que não poderia impedir a antecipação. “Não está no nosso querer. Quando se coloca o requerimento como foi colocado, qualquer vereador pode pleitear e formar uma chapa. Eu poderia nem ter entrado, mas alguns vereadores me chamaram e pediram que nós colocássemos o nosso nome em virtude de um bom trabalho que fizemos. O resultado dessa eleição mostra o nosso bom trabalho na Câmara”, disse.

Sobre os motivos que levaram os vereadores aprovarem o requerimento de antecipação da eleição, proposto pelo petista Dudu, Jeová destacou o fato de 2018 ser um ano eleitoral. “Foram várias justificativas e dentre elas está o ano eleitoral, aonde os ânimos irão se acirrar, onde a gente não sabe como vai ser essa eleição e o resultado pode não ser de consenso”, afirmou.

O tucano também negou que a data da eleição tenha sido programada para coincidir com a viagem de Firmino Filho à Espanha. “Quando foi colocado esse requerimento eu não tinha nem conhecimento do oficio do prefeito de que ele iria se ausentar. De maneira alguma foi proposital”, garantiu.

Foto: Wilson Filho

Fontes do Palácio da Cidade garantem que haverá retaliação aos vereadores da base que votaram pela permanência de Jeová. A previsão é de uma reunião da base na segunda-feira. O presidente da Casa disse que, se for convidado, vai participar. “Se eu for convidado, é certeza que estarei lá. Sinto-me da base”, declarou, negando qualquer tipo de pressão.

“Eu desconheço essa pressão. Numa eleição surgem vários fatos. Aqui e acolá tem alguma divergência de algum vereador que possa estar criando, não o vereador Dudu, mas outro vereador que não quisesse essa chapa estivesse criando factoide”, finalizou.

Hérlon Moraes
herlonmoraes@cidadeverde.com

Imprimir