Cidadeverde.com
Últimas

Paralisação de médicos do HGV pode afetar mutirões de saúde

Imprimir

As Residências Médicas do Hospital Getúlio Vargas (HGV) podem paralizar em dezembro. Os médicos preceptores (médicos que orientam os residentes) estão há mais de três meses sem o recebimento de benefícios. A paralisação pode afetar também os mutirões de saúde.

"Ontem (22) recebemos a sinalização da diretoria do HGV de que teríamos os pagamentos de agosto e setembro regularizados nos próximos dias. O problema é a falta de uma data fixa. Desde que iniciamos as Residências não temos regularidade e garantia dos pagamentos, apesar de sermos concursados", disse Joselda Duarte, coordenadora de Residências Médicas do HGV. 

A médica ressalta que existem 50 médicos preceptores trabalhando no hospital que atuam não somente na orientação científica dos residentes, mas também no atendimento à população.

"A paralisação terá um impacto negativo também para a população, principalmente, na realização dos mutirões de saúde. Atendemos em sete especialidades: clínica médica, cirurgia geral, cirurgia do aparelho digestivo, coloproctologista, cirurgia vascular, otorrinolaringologista e terapia intensiva. A presença desses médicos residentes praticamente dobrou o número de atendimentos de 2014 para 2015", disse Joselda Duarte. 

A paralisação dos médicos está prevista para 6 de dezembro.

A Secretaria de Estado da Saúde enviou nota explicando que o atraso no pagamento das bolsas dos supervisores e preceptores das Residências Médicas é devido a situação financeira do Estado. A nota diz ainda que está sendo discutido um cronograma para a regularização do pagamento da folha em atraso. 

Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir