Cidadeverde.com
Política

Trump aceita reunião com Kim Jong-un em maio

Imprimir

Foto: AFP

 

Num gesto surpreendente, o líder supremo da Coreia do Norte, Kim Jong-un, convidou o presidente dos EUA, Donald Trump, para um encontro pessoal no fim de maio, anunciou a Coreia do Sul. A oferta inclui congelar os testes nucleares e de mísseis do regime norte-coreano que deixaram o mundo temeroso de uma guerra com os americanos. Trump se dispôs a se reunir com o líder asiático, segundo Seul e Washington.

— Ele expressou sua intenção de encontrar o presidente Trump o mais breve possível — disse num breve pronunciamento na Casa Branca o chefe do Gabinete de Segurança Nacional da Coreia do Sul, Chung Eui-yong. — O presidente Trump apreciou o cumprimento e disse que encontraria Kim Jong-un em maio para alcançar uma desnuclearização permanente.

A declaração veio após um encontro no qual os sul-coreanos entregaram uma carta do líder supremo endereçada ao chefe de Estado americano.

"O presidente Trump aprecia muito as palavras da delegação sul-coreana e o presidente Moon (Jae-in). Ele aceitará o convite para se encontrar com Kim Jong-un num local e tempo a serem determinados. Temos a expectativa da desnuclearização da Coreia do Norte. Neste meio tempo, todas as sanções e pressão máxima devem continuar", afirmou em comunicado a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders.

O assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, H.R. McMaster, informará sobre o convite aos enviados do Conselho de Segurança da ONU na próxima segunda-feira, revelaram diplomatas após o anúncio.

De acordo com a rede CNN, funcionários do Pentágono e da própria Casa Branca foram pegos de surpresa com a revelação do anúncio por Trump. Em maio de 2017, o presidente dos EUA havia ventilado a possibilidade de um encontro, mas apenas se a Coreia do Norte cumprisse com pré-condições.

"Kim Jong-un falou sobre desnuclearização com os representantes sul-coreanos, não apenas um congelamento. Também, nenhum teste de mísseis da Coreia do Norte neste período. Grande progresso sendo feito, mas sanções vão continuar até que um acordo seja alcançado. Encontro sendo planejado!", escreveu Trump no Twitter.

Chung Eui-yong e o chefe do Serviço de Inteligência Nacional, Suh Hoon, viajaram a Washington, onde explicaram ao governo dos EUA a posição da Coreia do Norte a favor de conversas futuras com Washington e a possibilidade de Pyongyang suspender os testes nucleares caso a segurança do regime fosse assegurada.

Chung, que liderou na segunda-feira a delegação sul-coreana para o primeiro encontro com Kim Jong-un, se encontrou com McMaster na Casa Branca, dando início a uma rodada de discussões com autoridades seniores do governo. Depois, o grupo manteve uma breve conversa com Trump.

Os líderes da Coreia do Norte e da Coreia do Sul concordaram ainda no encontro com uma reunião de cúpula em abril na Zona Desmilitarizada (DMZ), de acordo com Seul. O governo sul-coreano indicou que Pyongyang estaria disposto a interromper os testes nucleares e de mísseis e iniciar conversações.

 

Fonte: O Globo 

Imprimir