Cidadeverde.com
Geral

Solta, acusada na morte de cabo do Bope é suspeita de assaltar amiga

Imprimir

Thaís Monait durante audiência de instrução da morte do cabo Claudemir, em 2017.Foto: Cidadeverde.com

Apenas dois meses após sair do presídio, a jovem Thaís Monait Neris de Oliveira, 26 anos, estaria praticando assalto a mão armada. Ela é uma das oito investigadas na morte do cabo do Bope, Claudemir Sousa, em 2016. 

A denúncia de que Thais voltou ao crime partiu de uma amiga dos tempos de escola. A vítima teve a bolsa roubada no início desta semana. 

"A vítima estava empurrando a moto para uma borracharia quando foi abordada por um casal de moto. A mulher da garupa fez um gesto de que estava armada e exigiu a bolsa. Só que ela estava com a viseira levantada e a vítima a reconheceu porque estudaram juntas", explica o delegado Flávio Rangel, titular do 10º DP. 

O roubo ocorreu no bairro Bela Vista, na zona Sul da Capital, próximo a uma escola particular. O casal de assaltantes estava em uma Bros vermelha. 

O delegado acrescenta que a vítima reconheceu Thaís também por fotografia. 
 
Ela e os demais réus na morte do PM foram postos em liberdade no mês janeiro e aguardam o julgamento em liberdade. A investigação da Polícia Civil apontou que Thaís seria uma das 'olheiras' no caso da morte do cabo do Bope e indicou o momento exato para que os executores efetuassem os tiros. Neste processo, a ré é investigada por associação criminosa.

O delegado disse ainda que a possível participação da suspeita em assaltos na zona Sul ainda está sendo confirmada. 

"Já ouvimos a vítima e estamos apurando o caso por completo. Vamos intimá-la e se houver indícios da participação dela nesse e em outros roubos, vamos indiciar e enviar ao MP para que possa oferecer denúncia. Além da prisão pela morte do cabo do Bope em 2016, ela havia sido preso em 2013 por porte ilegal de arma de fogo", finaliza Flávio Rangel.

 


Graciane Sousa 
gracianesousa@cidadeverde.com

Imprimir