Cidadeverde.com
Geral

Saulo Dugado admite excesso em padaria e está com bala alojada no joelho

Imprimir

O cantor Saulo Dugado pediu desculpas publicamente pela confusão que provocou em uma padaria da zona Leste de Teresina no último dia 17 de maio. Saulo que foi baleado na perna, teve alta no último domingo (20) e recebeu a Equipe da TV Cidade Verde para entrevista onde deu suas primeiras declarações sobre a polêmica.  O cantor passou por cirurgia, mas a bala que atingiu sua perna permanecerá alojada no joelho do cantor. Ele reconhece que iniciou a confusão mas critica a conduta do policial W. Silva que o atingiu com dois tiros durante a briga.

"Tem dias que você amanhece com os ânimos meio alterados e eu havia sentido falta de palitos e guardanapos na mesa. Recorri ao gerente que também me tratou mal e acho que o pessoal da padaria também estava em um dia ruim, porquê todos me trataram mal", descreveu o cantor.

Saulo pontua que houve excesso da parte do policial e acrescenta que foi insultado por ele antes de revidar e iniciar a confusão. "A conduta correta era ele se identificar como policial e se eu estava alterado dizer - ou você se acalma ou eu lhe dou voz de prisão e me conduzir. Mas não, ele já foi perguntando se eu queria tomar um tiro. Como eu já estava alterado teve a confusão", explicou.

O cantor acrescenta ainda que foi maltratado como cliente que as imagens não registraram essa parte da confusão. "Existe uma premissa que diz que o cliente tem que ser bem tratado, com a premissa de que ele tem razão. E lá não houve isso, o que houve foi um bate-boca daqui pra lá e de lá pra cá", completou.

Questionado sobre seu estado no momento da briga, Saulo explica que saiu de casa as 7h para tomar café com a namorada e que há mais de um ano não ingere bebida alcoólica ou qualquer entorpecente. Segundo ele, no dia de sua internação ele foi submetido a exames toxicológicos que comprovam a sua sobriedade.

Perdão

O cantor finaliza afirmando que perdoa o policial pelos tiros disparados mas que seus advogados seguem com o processo na Justiça.  "Eu não estou aqui para julgar, estou aqui para perdoá-lo e isso fica de lição pra mim e para você que está aí assistindo. Briga não se resolve com pancada e gritaria. Qualquer tipo de discussão se resolve numa conversa e a quem eu puder aconselhar, aconselharei assim", conclui.

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com

Imprimir