Cidadeverde.com
Política

Fortes critica governo por não ter dinheiro para aposentados

Imprimir

“Este Governo, que diz que faltam 9 bilhões para atender os aposentados brasileiros, é o mesmo Governo que manda para cá uma duvidosa e malfadada MP, a nº 244, que anistia entidades que praticaram atos de corrupção em R$4 bilhões”, alertou o senador

Heráclito Fortes, nesta sexta-feira, da Tribuna, ao criticar o governo federal que diz não ter dinheiro para aumentar as aposentadorias e, ao mesmo tempo, anistia organizações não-governamentais que praticaram irregularidades . “

 - Ou o Governo não quer nada com o aposentado, ou o aposentado não é sua prioridade, ou ele está achando que todos nós somos idiotas - disse Heráclito, referindo-se às informações de que o governo federal pretende impedir, na Câmara dos Deputados, a aprovação de três projetos que beneficiam aposentados e pensionistas: o PLS 296/03, de autoria do senador Paulo Paim (PT-RS), que extingue o fator previdenciário nos cálculos dos benefícios; o PLC 42/07, que trata do reajuste do salário mínimo e recebeu emenda de Paim para que o mesmo índice passe a reajustar também os benefícios; e, o PLS 58/03, igualmente de Paim, aprovado esta semana na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) na forma de substitutivo, que determina a atualização do valor dos benefícios com base no número de salários mínimos recebidos à época da concessão da aposentaria.

Ao sair em defesa dos aposentados, Heráclito Fortes disse que o governo federal não pode "beneficiar quem não trabalha", tirando dinheiro do aposentado "que trabalhou a vida inteira pelo país". “Tudo bem se o governo propusesse um acordo de reposição gradativa aos aposentados. Mas simplesmente dizer que não tem dinheiro é inaceitável”, afirmou.

Heráclito lembrou que o presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho, já afirmou ser necessário rever os termos da medida provisória (MP 446/08) que trata da certificação de entidades de assistência social pelos ministérios correlatos. O importante, acredita Garibaldi, é garantir que a MP não se constitua numa política de benefícios a entidades filantrópicas inidôneas.

- Essa MP não é para beneficiar gente séria, que prestou serviços ao país e por um deslize ou outro teve dificuldade. Conhecemos entidades que não têm contabilidade sofisticada, mas que você vê, pelo funcionamento e pelo conceito que têm na sociedade, que cumprem seu papel. Essa é uma medida para atender os aloprados. É o Papai Noel dos aloprados - disse Heráclito, sobre os objetivos da MP 446/6.


Redação
redacao@cidadeverde.com

Tags:
Imprimir