Cidadeverde.com
Política

MDB aceita Marcelo Castro para o Senado e impasse é sobre vaga de deputado federal

Imprimir

Foto: Wilson Filho

Atualizada às 12h30

O impasse permanece. Mesmo após 1h30min de reunião, os líderes do MDB não chegaram a um acordo. Tanto o deputado estadual, Themístocles Filho, como o presidente da sigla Marcelo Castro saíram do encontro com falas divergentes. Segunda-feira (23) haverá nova reunião. 

O MDB se reúne pela segunda vez em menos de 48 horas, após o governador comunicar que o partido não vai indicar a vaga de vice e que Marcelo Castro é aprovado para disputar a segunda vaga ao Senado na chapa majoritária. O MDB perdeu a vice, mas ganhou também o "chapão" (aliança proporcional para deputados estaduais e federais).  

O presidente do MDB do Piauí, Marcelo Castro, falou com a imprensa e mostrou uma posição diferente do presidente da Assembleia Legislativa do Estado, deputado Themístocles Filho.

Ao contrário de Themístocles, Marcelo Castro disse que não houve acordo para ouvir as bases. Segundo ele, isso já foi feito.

Marcelo Castro afirmou ainda que falta apenas um "detalhe". Segundo ele, esse detalhe é para manter a união da legenda e evitar a dissidência.

"Falta só um detalhe. O MDB esteve dividido em várias ocasiões, que vamos evitar que isso ocorra agora. O detalhe passa por isso", disse.

Nova discussão

Sem citar nomes, Marcelo Castro deu a entender que o obstáculo seria penas o grupo ligado a Themístocles Filho. Há a possibilidade do filho de Themístocles sair candidato a deputado federal. O presidente da Assembleia foi acompanhado do filho na reunião.

O grupo ligado a Themístocles Filho quer garantias de ter a suas reivindicações atendidas. O MDB não discute mais a questão majoritária. Agora a discussão é proporcional. A meta do partido é o Marcelo Castro candidato ao Senado Federal e a sigla possa eleger dois deputados federais. 

Os nomes colocados são do filho de Themístocles Filho e do deputado federal Severo Eulálio. Só falta agora definir como os votos de Marcelo Castro serão divididos entre os dois.

Página virada

Marcelo Castro afirma que a questão majoritária não é mais discutida no partido. Segundo ele, a disputa por vice já é uma questão vencida. “O MDB não discute mais essa questão de vice. A vaga do partido na chapa majoritária é de senador. Agora é saber se o MDB aceita ou não aceita”, disse. 

Segunda haverá nova reunião

"Não temos uma decisão. Os deputados estão indo para o interior. É importante ouvir as bases. Estamos tranquilos. Temos tempo. É importante saber o que o povo pensa  sobre Isso", disse Themístocles ao sair da reunião.

Quando questionado se mantém as conversas com a oposição, Themístocles disse não ter problema. "Não vejo problema em conversar com o Dr. Pessoa e o Luciano Nunes. São meus amigos, converso com todos os deputados", declarou.

Fotos: Wilson Filho

Atualizada às 11h30


A reunião do MDB segue a portas fechadas na sede do partido e o deputados fazem mistérios sobre a decisão. Os parlamentares avaliam proposta do governador Wellington Dias (PT) de indicar o deputado federal Marcelo Castro ao Senado e aprovar o "Chapão" (todos os partidos para a chapa proporcional) e eleger o maior número de deputados estaduais e federais. 

Além de Marcelo Castro e Themistocles Filho, participam da reunião os deputados João Madison, Pablo Santos, Marcos Aurélio e Mauro Tapety. 

Matéria inicial

Sem um entendimento e uma posição oficial, o MDB iniciou agora há pouco uma reunião na sede do partido. A cúpula da sigla participa da discussão para saber se vão ou não aceitar a proposta do governador Wellington Dias (PT). A proposta do MDB foi rejeitada e a ideia do governador é indicar o deputado federal e presidente da sigla, Marcelo Castro, como senador na chapa majoritária.   

O presidente da Assembleia Legislativa, Themistocles Filho  (MDB)  chegou à reunião agora há pouco. Ele veio acompanha do filho, o advogado Marco Aurélio. Ele pediu "calma" e só irá falar depois.

"Não posso falar agora. Só depois da reunião. Vamos conversar com os deputados", disse.

Nos bastidores, a informação que THemistocles pode indicar o filho para ser candidato a deputado. Ele não confirma a informação.

A expectativa é que o MDB apresente ainda hoje uma definição sobre se aceita ou não a proposta do governador. Wellington Dias deve ouvir legendas como PTB e PSD, que buscavam vagas de vice na chapa majoritária. 

A possibilidade do PT ficar com duas vagas tem repercutido na base aliada. Alguns partidos demonstram resistência.

Outros partidos demonstram solidariedade ao nome do deputado Themistocles Filho (MDB), que era cotado para ser o vice.

O deputado Marcelo Castro afirma: deseja que o partido aceite a proposta do governador. Sem a vice, o MDB deve indicar Marcelo para a segunda vaga de senador.

 "Vou fazer de tudo para isso. O governador foi honesto com o MDB. Ele manteve a palavra que o partido teria uma vaga na base aliada. Não há motivos para irmos para oposição", disse.

Os deputados do MDB já estão na sede da legenda. A expectativa é que eles apresentem uma contraproposta ao governador ainda hoje.

Flash Lídia Brito
[email protected]

Imprimir