Cidadeverde.com
Geral

Em áudios, Paty Bumbum ironiza morte em procedimento estético

Imprimir

Foto: Divulgação / Polícia

Policiais da Delegacia do Consumidor (Decon) encontraram ontem (26) um espaço irregular destinado a procedimentos estéticos em Curicica, na região de Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio. No local, estava Patricia Silvia dos Santos, de 47 anos, que, segundo informações repassadas ao Disque-Denúncia, mora no local e utiliza a casa para práticas como "aplicação de silicone industrial" nas nádegas das clientes. Ainda de acordo com a denúncia, a mulher apresentava-se às interessadas como Paty Bumbum.

Patricia foi encaminhada à delegacia para prestar esclarecimentos e será indiciada por exercício ilegal da medicina. Contudo, como o crime é considerado de menor potencial ofensivo e tem pena máxima de até dois anos de reclusão, ela não permanecerá presa. Embora tenha afirmado que só prestará depoimento acompanhada de um advogado, Patricia contou informalmente aos policiais que já realiza este tipo de procedimento há 13 anos.

— Acreditamos que, já por receio de ser descoberta, até por conta de toda a repercussão envolvendo casos recentes, ela escondeu os itens que utilizava nos procedimentos em vários pontos do imóvel, em diferentes cômodos e até no carro — explicou a delegada Daniela Terra, titular da especializada.

Em um áudio anexado ao inquérito, que teria sido enviado por Patricia a diversas clientes em um grupo fechado no WhatsApp, a mulher aparece ironizando as mortes recentes envolvendo procedimentos estéticos: "Amigas, vamos falar sério? Todo ano morre alguém fazendo alguma p... de estética, mas pelo menos a gente morre fazendo aquilo que a gente quer e não morre feia".

Na sequência, a voz creditada a Patricia parece fazer referência mais direta ao caso envolvendo o médico Denis Cesar Barros Furtado, conhecido nas redes sociais como Doutor Bumbum. O profissional está preso, assim como a própria mãe, Maria de Fátima Furtado, depois que a bancária Lilian Calixto, de 46 anos, morreu em decorrência de um procedimento estético feito no apartamento de luxo em que os dois moravam, na Barra da Tijuca.

"Vamos parar com essa palhaçada, deixa o cara. A mulher já morreu. Ela que procurou ele", afirma a voz feminina na gravação. Em seguida, ela admite realizar procedimentos estéticos mesmo sem ter a formação adequada: "É igual quando vocês me procuram. Eu não falo para ninguém no grupo que sou médica, não engano ninguém. Quando me procura sabe do risco".

No endereço, situado ao número 77 da Rua Abadiana, foram encontrados materiais como agulhas, seringas e medicamentos, mas a quantidade de itens apreendidos ainda está sendo contabilizada. Segundo agentes da Anvisa que participaram da operação, os anestésicos e substâncias encontrados no local estavam na validade e são permitidos pela legislação brasileira.

Patricia já tem três passagens pela polícia, mas nenhuma relativa à prática ilegal da medicina. Em março 2013, ela esteve envolvida em um caso de ameaça. Em novembro do mesmo ano, mais um registro por ameaça, além de injúria e lesão corporal leve. Por fim, em março de 2016, uma ocorrência por omissão de cautela na guarda de animal perigoso e injúria. Todos os casos foram registrados na 32ª DP (Taquara), responsável por atender a região onde fica o endereço visitado pela polícia nesta quarta-feira.

Foto: Divulgação / Polícia

Fonte: Extra

Imprimir