Cidadeverde.com
Últimas

Sindicância deve apurar recentes fugas de adolescentes no CEM

Imprimir

A Diretoria das Unidades de Atendimento Socioeducativo (Duase) abriu sindicância para apurar as fugas de adolescentes internados no Centro Educacional Masculino (CEM), localizado na zona Norte de Teresina.  A informação foi confirmada ao Cidadeverde.com pelo diretor da Duase, capitão Luciano Teles.

Capitão Teles explicou que as recentes fugas do prédio ocorreram de maneira semelhante e, por isso, levantou-se uma suspeita entre as duas ocorrências. 

 A fuga mais recente ocorreu no final da tarde desse domingo (12). Dos seis adolescentes, cinco foram recapturados nas mediações da sede do CEM, no bairro Memorare, ontem mesmo. Eles pularam o muro. 

“Há uns 40 dias, houve uma fuga parecida com esta e já foi instaurada uma sindicância. Uma nova será aberta para investigar a fuga de ontem. Só com a sindicânvias vamos saber como ocorrera, se o cadeado foi deixado aberto, se realmente algum educador foi rendido. Há uma semelhança entre as fugas. Me parece até que foi no mesmo plantão, uma linha de sabotagem, vamos apurar”, disse o capitão. 

Teles também relata que uma das linhas de investigação é uma possivel "sabotagem" por parte de alguns funcionários.

Fuga 

No final da tarde deste domingo (13) seis adolescentes fugiram do CEM, na zona Norte de Teresina, após renderem educadores e fazê-los reféns. Eles conseguiram pular o muro, mas foram capturados e apenas um ainda está foragido.

No horário em que se encerrava o horário de visitas, os adolescentes aproveitaram o momento antes de serem recolhidos às celas para agir. De acordo com a coordenadora do CEM, Sheila Batista, eles utilizaram uma barra de ferro para render educadores e conseguiram pular o muro. Já o coordenador da Secretaria Estadual de Assistência Social e Cidadania (Sasc), Wellington Rodrigues, disse que eles renderam os agentes com um esilelte. 

Sheila Batista, informou que cinco foram encontrados pouco tempo depois em um matagal próximo ao local. O único que ainda não foi encontrado é da cidade de Porto, no Piauí, e foi responde por latrocínio, roubo seguido de morte. 

“Houve as visitas dos familiares e quando eles foram embora, eles abordaram um educador e aconteceu o fuga. Pularam o muro e conseguiram fugir”, contou a coordenadora.

O muro tem aproximadamente 6m de altura, mas segundo a coordenação, do local por onde os adolescentes fugiram, há a parede externa de um alojamento, que forma uma espécie de corredor e facilita a subida. 

No momento da fuga, havia policiais militares fazendo a vigilância nas quatro guaritas. De acordo com a coordenadora, isso facilitou o trabalho de captura. Essa foi a segunda fuga no intervalo de seis meses. 

Superlotação
Wellington Soares, da SASC, informou que a casa abriga hoje 130 adolescentes e que a capacidade é de apenas 96. No local não há câmeras de monitoramento e que são em torno de 12 educadores trabalhando por plantão.  

O coordenador da Sasc diz que são feitas vistorias diárias, mas que ainda assim, os adolescentes arrancam bojos e cavam buracos e túneis na tentativa de fugir ou de esconder objetos como celulares e estiletes.   

“Nas ultimas não foram encontrados (estiletes). De posse de um dos estiletes que conseguimos capturar anteriormente, detectou-se que foi fabricado com peça arrancada de um bebedouro e já deslocamos o bebedouro  para um local mais seguro. De certo, o que aconteceu ontem fará com que ajamos com mais rapidez no sentido de solucionar esse tipo de problema”, afiançou. 

O coordenador reconhece que o número de educadores ainda é insuficiente. “Passado esse período eleitoral, nós iremos pleitear a aumento do número de educadores para melhorar nossas atividades”.

Carlienne Carpaso e Lyza Freitas
redacao@cidadeverde.com



 

Imprimir