Cidadeverde.com
Viver Bem

Especialistas alertam para o cuidado com a saúde no período de queimadas

Imprimir

As mudanças climáticas e os focos de incêndio registrados em várias regiões do País não causam transtornos apenas ao meio ambiente. Nessa época do ano, emergências hospitalares recebem um grande número de pessoas com problemas respiratórios causados pela fumaça dos grandes incêndios.

Quanto maior a proximidade da queimada, maior o seu efeito à saúde. Por esse motivo, especialistas alertam para o cuidado redobrado da população. De acordo com a pneumologista Tatiana Veloso, qualquer pessoa que tenha inalado fumaça e resíduos provenientes das queimadas deve recorrer a uma supervisão especializada. Segundo ela, mesmo que em pequena quantidade, as substâncias tóxicas podem causar sérios danos à saúde. “Apresentando qualquer sintoma respiratório, principalmente falta de ar, o serviço médico deve ser procurado imediatamente”, ressalta.

Bombeiros e profissionais de resgate estão mais expostos aos efeitos dessa inalação. Contudo, quem vive próximo a essas áreas de incêndios também devem tomar algumas medidas de proteção. Fechar janelas e portas e umidificar o ambiente de casa é uma das alternativas para proteger a saúde. Todo cuidado é necessário para prevenir uma série de doenças causadas pela exposição das pessoas às nuvens de fumaças.

Tatiana Veloso lembra que o calor da fumaça é responsável por uma agressão ao trato respiratório. “A inalação resultante das queimadas pode ocasionar injúria pulmonar, que é um processo inflamatório do tecido respiratório. Quanto maior a temperatura e a exposição, mais possibilidade de intoxicação.”

Outra estrutura anatômica que pode ser comprometida é a glote. Ela está localizada no fim da laringe e tem como principal função facilitar a entrada e saída do ar durante a respiração. Caso haja inflação, o espaço para ocorrer o fluxo fica reduzido.

A especialista ainda alerta que uma sequela grave é o desenvolvimento de tecido necrótico na área pulmonar. Trata-se de pequenas lesões que não puderam ser cicatrizadas. “Caso isso aconteça, podem sair secreções do pulmão, possibilitando tosse mais intensas e infecções”, afirma.

Quem já possui complicações respiratórias pode ter agravamento dos sintomas, caso fique exposto à fumaça. Além disso, o calor excessivo por situações de queimada pode afetar a saúde dos olhos, a mucosa do nariz e causar queimaduras na pele.


Fonte: Governo Federal

Imprimir