Cidadeverde.com
Geral

Após rebelião, 58 internos são transferidos do CEM

Imprimir
  • Sem_Título-15.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-121.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-111.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-101.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-91.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-81.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-71.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-61.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-51.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-41.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-21.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-1.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-14.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-13.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-12.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-11.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-10.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-9.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-8.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-7.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-6.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-5.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-4.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-3.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com
  • Sem_Título-2.jpg Catarina Malheiros / Cidadeverde.com

Quase 60 internos do Centro Educacional Masculino (CEM) foram transferidos após a rebelião que ocorreu ontem (29). De acordo com a coordenadora da unidade, Sheyla Rodrigues, a estrutura do prédio ficou bastante destruída. A rebelião durou cerca de 3 horas e teve um educador mantido refém. Na manhã de quinta-feira (30), o clima é tranquilidade. 

"Os pavilhões ficaram bastante destruídos, por isso os adolescentes foram transferidos para o Ceip, por conta da superlotação não tivemos como ficar com eles aqui [CEM], mas os 71 que estão na unidade estão calmos. Tá tudo tranquilo. [...] vamos sentar com a nossa secretária para dar agilidade a reconstrução e eles possam retornar para a unidade", explica Sheyla Rodrigues. 

A coordenadora conta que dos 58 internos transferidos, 41 participaram da rebelião. Entre os motivos do conflito estariam a superlotação e revisão das sentenças dos internos.

"A juíza implantou uma sala de defensoria pública para dar andamento ao processo. Ela está sempre à disposição do CEM, ontem conversou com eles e ficaram calmos.  A reinvidicação deles maior é a superlotação, colchões [...]", disse Sheyla Rodrigues. 

Com capacidade para 110 adolescentes infratores, o CEM abrigava 129. A rebelião deixou destruídos quatro dos nove pavilhões da unidade.

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Imprimir