Cidadeverde.com
Últimas

Preso suspeito de matar pai e atirar contra criança de três anos de idade

Imprimir

Pai foi morto e filha de três anos foi alvejada com tiros ao ser feita de escudo humano

Após dois meses de investigação, o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) prendeu um dos suspeitos de matar Elinaldo José da Silva, 29 anos, vulgo Vaqueiro, assassinado com seis tiros no Loteamento Recanto dos Pássaros, bairro Todos os Santos, zona Sudeste de Teresina.

O caso teve grande repercussão porque a vítima usou a filha, de apenas três anos de idade, como escudo humano.

Marcos Antônio da Silva Evangelista, vulgo Cirilo, dormia em casa quando foi surpreendido pelos policiais civis na manhã desta sexta-feira (31) com o mandado de prisão preventiva pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio.

Foto: PC-PI

À Polícia Civl, o suspeito disse que atirou apenas no pé da vítima e jogou a arma no chão

De acordo com o delegado Jarbas Lima, que comanda as investigações, mesmo após terem sido efetuado seis tiros, o suspeito disse que atirou apenas no pé da vítima. 

"Dois elementos abordaram a vítima que estava com sua filha nos braços. Cirilo ordenou que a vítima soltasse a criança, o que não foi feito, momento em que ele e um outro comparsa, ambos armados com arma de fogo, efetuaram vários disparos em direção das vítimas", disse Jarbas Lima. 

Elinaldo José teve morte imediata. Já a filha dele foi hospitalizada após ser alvejada com três tiros. 

O delegado explica ainda que Cirilo e a vítima haviam discutido na manhã do crime. 

"Os dois teriam discutido em uma residência no mesmo loteamento, ao tempo que Vaqueiro teria dado um tapa no rosto de Cirilo que foi embora mas teria avisado que voltaria para se vingar", reitera Jarbas Lima.

Jarbas Lima, delegado do DHPP, investigou o caso


Mais suspeitos

Samuel Felipe da Costa Silva, vulgo Felipe Neguin, também suspeito de participação no crime, foi preso no último fim de semana em cumprimento a mandado de prisão preventiva."Ainda há um a ser preso e é considerado foragido", reitera o delegado. 

O Departamento de  Homicídios e Proteção à Pessoa disponibiliza o número 181 para denúncias anônimas.


Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir