Cidadeverde.com
Geral

Grupo do GO apresenta “O Crivo” em Teresina e outras cidades

Imprimir

 Foto: Ascom Sesc Piauí

O grupo Ateliê do Gesto (GO) apresenta o espetáculo de dança “O Crivo” em Teresina, Parnaíba e Floriano pelo Palco Giratório. A classificação é livre e a entrada é gratuita.

Simultaneamente ao espetáculo acontece a oficina “Corpo-Espaço”, que será ministrada pelos atores do grupo. O público alvo são bailarinos, estudantes do corpo e das artes cênicas. Serão oferecidas 20 vagas para cada cidade.

Confira abaixo a programação completa:

FLORIANO

Espetáculo O Crivo – 16/09 – 19h30 – Teatro Maria Bonita

Oficina Corpo-Espaço – 17/09 – das 14h às 20h – Teatro de Arena do Sesc

TERESINA

Espetáculo O Crivo – 20/09 – 19h30 – Theatro 4 de Setembro

Oficina Corpo-Espaço – 19/09 – das 14h às 20h – Liceu Piauiense

PARNAÍBA

Espetáculo O Crivo – 22/09 – 19h – Teatro do Sesc Avenida

Oficina Corpo-Espaço – dias 23 e 24/09 – às 8h e às 14h – Sesc Avenida

O espetáculo

O Crivo é um espetáculo de dança inspirado na obra “Primeiras Estórias”, do escritor João Guimarães Rosa, um dos mais revolucionários e complexos da literatura brasileira do século XX. Dois homens criam relações que só se revelam à medida que atravessam suas estórias, o sertão, ao som do fazendeiro, de galo cantando, de vento batendo em meio a folhas das árvores.

Sobre o Palco Giratório

Em sua 21ª edição o Palco Giratório realizará 625 apresentações artísticas e mais de 1.600 horas de oficinas. O projeto é uma iniciativa do Sesc de difusão e intercâmbio de artes cênicas, que se consolida como a maior ação do gênero no Brasil.

Ao longo de 2018 as atividades acontecem em 132 cidades de 26 estados e do Distrito Federal, oferecendo uma programação caracterizada pela diversidade de expressões, qualidade de espetáculos e ações formativas com grupos das cinco regiões brasileiras.

O destaque deste ano é o circo, com homenagem ao Palhaço Biribinha. Patrimônio vivo da cultura alagoana, Teófanes Antônio Leite e Silveira tem um histórico de engajamento e resistência para com as artes circenses no Brasil.

Da Redação
[email protected]

Imprimir