Cidadeverde.com
Geral

Acervo do Museu do Piauí é exposto ao sol e preservação fica comprometida

Imprimir

Após passar por uma recente ampla reforma, o Museu do Piauí-Casa de Odilon Nunes, não está preservando seu acervo de forma devida. É o que denuncia uma postagem feita na rede social Facebook pelo professor e jornalista Diego Lopes. 

O professor denuncia que, durante uma visita realizada neste fim de semana, constatou que parte do acervo do Museu está sendo exposto ao sol, o que compromete a preservação das obras. 

“Vi diversas obras e objetos históricos ameaçados pela má preservação. O sol chega diretamente no interior do prédio e compromete nosso patrimônio cultural. Alô, Secult, que reforma foi aquela que não fez o básico para proteger a memória piauiense?”, questiona Diego. 

As obras postadas pelo jornalista ficam expostas na Sala República. Uma das pinturas é a reprodução da Revolta dos 18 de Copacabana. O acervo retrata os acontecimentos marcantes dos primeiros 30 anos do Brasil Republicano 

Fotos: Diego Lopes

“A reforma ocorreu, mas muitas obras do acervo têm problemas de umidade, iluminação excessiva e exposição ao calor. Obras de pinacoteca são muito sensíveis e precisam de uma acomodação apropriada”, ressalta o historiador e especialista em Museologia, Anderson Miura.

O Museu do Piauí, localizado no Centro de Teresina, possui acervo diversificado que compreende desde o período pré-histórico ao contemporâneo. 

A  coordenadora do Museu, Dora Medeiros, confirmou a existência do problema ao Cidadeverde.com e disse que providências estão sendo tomadas. 

“Existe realmente este problema do sol em uma pequena parte do segundo pavimento, porém já existe um projeto de colocar fumê nas janelas para ser executado em breve juntamente com o projeto da acessibilidade e climatização. Esta questão do sol existe em um pequeno trecho do segundo pavimento. No pavimento de baixo já está tudo vedado onde foi feita a galeria de artes”, afirma.

Na reforma realizada no passado, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), investiu cerca de R$ 360 mil no Museu. 

 


Izabella Pimentel
redacao@cidadeverde.com 

Imprimir