Cidadeverde.com
Esporte

Advogado de Cristiano Ronaldo admite acordo, mas nega culpa em caso de estupro

Imprimir

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O advogado de Cristiano Ronaldo nos Estados Unidos, Peter S. Christiansen, emitiu um comunicado oficial nesta quarta-feira (10) assumindo a assinatura de um acordo no suposto caso de estupro envolvendo o jogador português.

Divulgação/Twitter

Em nota, a defesa do atacante da Juventus (ITA) admite que um acordo com a americana Kathryn Mayorga foi feito em 2009, mas negou que tenha sido uma admissão de culpa.

Segundo Christiansen, Cristiano Ronaldo nunca negou que tenha entrado em acordo com Kathryn. A defesa afirma que o português seguiu o conselho de seus assessores para colocar fim às "acusações injuriosas feitas contra ele".

"Embora Cristiano Ronaldo esteja acostumado a ser objeto da constante atenção dos mídia, pelo fato de ser uma pessoa extremamente conhecida, é absolutamente deplorável que certos meios de comunicação continuem a propagar e a estimular uma campanha deliberada de difamação baseada em documentos digitais roubados e facilmente manipuláveis", diz o texto.

A acusação de Kathryn foi revelada pela revista alemã Der Spiegel no ano passado. Na última semana, a publicação trouxe uma nova entrevista com a americana, que revelava seu nome e dava detalhes de como o crime teria acontecido.

Mayorga afirma que o português abusou dela em um hotel de Las Vegas, nos Estados Unidos, em 2009 enquanto ela gritava "não". Segundo a CNN, Ronaldo se desculpou "dizendo que sentia muito e que geralmente era um cavalheiro".

No processo, ainda acusa o jogador e sua defesa de tirarem proveito do frágil estado emocional de Mayorga para que ela assinasse um acordo de não-revelação em 2009. Ela diz que recebeu US$ 375 mil (cerca de R$ 1,5 milhão na cotação atual) em troca de seu silêncio. Agora, a ação quer anular este acordo.

Imprimir