Cidadeverde.com
Política

Assis diz não aceitar possível imposição do MDB para eleição na Alepi

Imprimir


Foto: Arquivo Cidadeverde.com

“Eu uma deselegância com a democracia do parlamento se o Themístocles Filho se lançar candidato”. A frase é do presidente do PT no Piauí, deputado Assis Carvalho, sobre a possibilidade do presidente da Assembleia ser candidato à reeleição pela oitava vez.

“Eu acredito que o Themístocles nem coloque seu nome. Imagine o Themístocles colocar seu nome para ser reeleito pela oitava vez. É uma deselegância com a democracia do parlamento. Eu espero que ele nem se coloque como candidato. Eu espero que Themístocles colabore com a democracia. Se colocaram para a imprensa e não colocaram na mesa de negociação eu nem discuto. Eles nunca sentaram para negociar com o PT. Pela imprensa eu não negocio. Não discuto pela imprensa. Se for pela imprensa eu nem considero. Só está pautado para mim o que está na mesa de negociação.”, disse.

Assis afirma que o PT se coloca à disposição para negociação uma chapa de consenso, porém o partido não aceita imposição. Ele se refere as declarações dadas por líderes do MDB de que não aceitam outro nome que não seja o de Themístocles como presidente. 

“Não seria o consenso. Como você fala em consenso e se coloca uma imposição. Não se pode sentar em uma mesa de negociação já colocando uma imposição. Nesse caso eu nem sento na mesa de negociação. Com imposição não há diálogo”, declarou.

O presidente do PT afirma que o partido foi o mais votado na eleição de outubro e o normal seria que indicasse o presidente. “O normal é o PT encabeça essa chapa porque é o maior partido. Mas é possível fazer um consenso agora do PT indicar o presidente agora, outro partido depois. Não posso é impor nada. Eu só negocio se todos sentarem na mesa em pé de igualdade. Se vier negociar já dizendo quem vai ser o presidente, eu nem sento na meso, vou embora”, afirmou. 

Para o PT, o consenso seria a melhor saída para evitar problemas para o governador no período de pós-eleição. “O objetivo maior e o bom é que tenhamos consenso. Nenhum partido coloca dificuldades na busca do consenso. A chapa única ajuda completamente na condução do processo do pós-eleição. O que pautamos é do ponto de vista de força política. Folgadamente o PT foi o mais votado, com mais de 305 mil votos. Em todos os lugares do mundo o partido  mais votado é o que conduz o processo. Tudo se resolve na mesa de negociação. É assim que se constrói”, declarou. 

Para Assis, o melhor é que o governador Wellington Dias nãos e envolva no diálogo neste momento. “O diálogo do PT com os Progressistas está muito adiantado e redondo. Estamos na expectativa que o MDB também se incorpore a esse diálogo. Começamos a levantar o debate, mas  particularmente, até para proteger o governador, acho que o melhor é o governador não se envolva nesta questão neste período. Em janeiro vamos sentar com o governador. Cada partido coloca a sua posição. Ele é nosso líder, mas trabalhamos com liberdade porque o governador é democrático”, destacou.

 

Lídia Brito
lidiabrito@cidadeverde.com 

Imprimir