Cidadeverde.com
Últimas

Seleção Brasileira termina 2018 pressionada e sonha com título da Copa América

Imprimir

A Seleção Brasileira vai terminar a temporada 2018 em baixa. Apesar das vitórias em amistosos realizados depois da Copa do Mundo, o time de Tite ainda não conseguiu mostrar um futebol que agrada torcedores e críticos. Com a Copa América de 2019 já próxima da disputa, o treinador brasileiro precisa arranjar uma forma de fazer o time se renovar e também voltar a convencer dentro dos gramados.

Os torcedores mais otimistas acreditavam que este ano iria terminar bem para o Brasil, principalmente com a disputa da Copa do Mundo na Rússia. Em 2017, a Seleção fez uma fase eliminatória quase perfeita e Tite conseguiu um aproveitamento de 85,7%, com 17 vitórias em 21 jogos. Números que surpreenderam muita gente.

No entanto, o ano de 2018 chegou e o bom futebol da Seleção ficou em 2017. A equipe não foi bem na Copa, já que em nenhum momento conseguiu mostrar bom futebol, e acabou eliminada pela Bélgica, nas quartas de final. Tite saiu do torneio criticado, assim como Neymar, que também pouco produziu e aumentou a fama de simular demais. Porém, a Confederação Brasileira de Futebol não quis mudar nada e renovou com o atual treinador, acreditando em uma possível renovação do elenco.

Tite fez isso e, logo após a Copa, realizou algumas convocações novas. Jogadores como Arthur, Richarlison, Firmino e Dedé ganharam espaço no elenco. Os amistosos após o torneio também foram positivos, já que a Seleção conseguiu 100% de aproveitamento, vencendo todos. Porém, o mais importante não aconteceu. O time ainda não conseguiu mostrar evolução e tem demonstrado pouco futebol.

O Brasil enfrentou Estados Unidos, El Salvador, Arábia Saudita, Argentina e Uruguai. Foram 11 gols marcados nestes jogos e nenhum sofrido. Números positivos, mas que podem ser questionados pela força dos adversários. Uruguai e Argentina passam também por reformulações, enquanto as outras equipes pouco fizeram frente contra o Brasil. Em campo, a Seleção não encanta torcedores e preocupa para a temporada 2019.

Brasil será sede e favorito na Copa América

A última competição que o Brasil organizou foi a Copa do Mundo de 2014. E o final dessa história todos já sabem, o marcante e inesquecível 7 a 1 para a Alemanha. Por isso, a Seleção tem uma grande responsabilidade com a Copa América de 2019. Além de ser o país sede, é também o único do torneio em condições de entrar em campo com algum favoritismo.

Segundo alguns jornais estrangeiros, como o Olé, a Argentina e o Uruguai ainda passam por uma reformulação de elenco e não devem ter condições de rivalizar com o Brasil. Outra fonte que aponta o favoritismo da Seleção é o portal de apostas da Betway. No dia 19 de novembro, a equipe de Tite tem 34,8% de chance de sair da Copa América campeã. Ou seja, os números e os especialistas estão ao lado do Brasil para a próxima temporada.

A Copa América vai começar no dia 14 de junho e vai até o dia 7 de julho, quando acontece a grande final. Seja com a presença do Brasil ou não, o palco da decisão será o Maracanã, que também recebeu a final da Copa de 2014. O curioso é que outra Copa América já está confirmada para 2020, porém o país sede deve ser os Estados Unidos.

Neymar ainda é esperança de títulos

Se o Brasil saiu devendo de 2018, o atacante Neymar está pior ainda. O jogador começou a temporada com uma lesão, mas conseguiu se recuperar a tempo de disputar a Copa do Mundo. Infelizmente, o jogador pouco rendeu com a Seleção e ainda saiu do torneio com a fama de se preocupar mais em enganar os árbitros do que jogar futebol.

Por isso, o jogador anda devendo muito para os torcedores do Brasil. Mas isso pode ser algo positivo, já que Neymar costuma crescer quando é cobrado. A esperança é que o atacante ganhe mais liberdade com a chegada de novos convocados por Tite, como o bom meia Arthur, e jogue melhor em 2019. Com quase 100 partidas pela Seleção e mais de 60 gols, Neymar com certeza ainda carrega a esperança de fazer torcedores esquecerem 2014. A Copa América de 2019 pode ser a oportunidade ideal para coroar o jogador e também o treinador Tite e quem sabe chegar na Copa do Mundo de 2022 com uma força maior ainda.

Imprimir