Cidadeverde.com
Esporte

Com lesão no olho, capitão do Boca diz que poderia ter morrido em estádio do River

Imprimir

Vítima de torcedores do River Plate e diagnosticado com uma úlcera na córnea do olho esquerdo, o meio-campista Pablo Pérez desabafou sobre o ataque ao ônibus do Boca Juniors ocorrido no último sábado (24), em avenida próxima ao Monumental de Nuñez.

Em entrevista coletiva concedida nesta segunda-feira (26), o camisa 8 e capitão do Boca adotou um discurso duro. Ele contou ter tido encontro dramático com as filhas após deixar o estádio e questionou as condições de segurança encontradas para a final da Copa Libertadores.

"Foi uma vergonha tudo o que aconteceu. Tenho minha mulher e três filhas. A maior me abraçou quando cheguei em casa e estava chorando. Ninguém pode jogar desta maneira, isso não pode se repetir", reclamou Pérez, que vislumbrou um cenário ainda mais violento caso a partida tivesse sido realizada.

"Não posso ir a um estádio onde não me dão segurança. O que aconteceria se a gente ganhasse? Quem me tiraria dali? Se as pessoas estavam loucas antes de entrarmos, imagine se dessemos a volta olímpica em seu estádio? Me matariam! Não vou jogar em um estádio onde posso morrer", acrescentou.

Pérez foi diagnosticado com o problema clínico no olho após ter sido atingido por estilhaços de vidro do ônibus, que foi destruído por objetos atirados por torcedores do River. A lesão no jogador foi utilizada pelo Boca como uma das justificativas mais importantes para cancelar a decisão também no domingo (25).

O ato violento deixou a decisão da Libertadores em suspenso. Na manhã desta terça-feira (27), dirigentes dos dois clubes e da Conmebol se encontrarão no Paraguai, na sede da entidade, para definir uma nova data para o segundo jogo da final.

No primeiro confronto, disputado em La Bombonera depois de adiamento pelas condições do tempo em Buenos Aires, Boca Juniors e River Plate empataram em 2 a 2. Quem vencer o próximo confronto leva o troféu da Libertadores e a vaga da América do Sul para o Mundial de Clubes.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir