Cidadeverde.com
Últimas

Vídeo mostra estudante de medicina caído no chão e suspeito correndo

Imprimir

 

Vídeos com flagrantes de vários ângulos estão ajudando a Polícia Civil na investigação da morte o estudante de medicina, Antônio Rayron Soares de Holanda, de 22 anos. Em um deles, a gravação mostra o momento exato em que o estudante cai no chão depois de ser atingido por um disparo de arma de fogo. Nas imagens de câmera de segurança, é possível ver que o jovem desaba de bruços, o que de acordo com a Polícia Civil, indica que ele estava tentando fugir do assaltante.

O jovem foi baleado e morreu em uma parada de ônibus na avenida Miguel Rosa, zona Sul de Teresina, após um assalto no dia 25 de novembro.  Outra gravação mostra o momento em que o suspeito de assassinar Rayron, de 15 anos, passa na rua correndo em fuga no dia do crime, empunhando o que a polícia suspeita que é o revólver usado para cometer o homicídio contra o estudante.

O titular da Delegacia de Segurança e Proteção ao Menor Infrator, delegado Emerson Melo, garante que o suspeito, que já está preso, agiu sozinho. O delegado também afirmou, em entrevista ao Jornal do Piauí que ele admitiu o crime e que em nenhum momento mostrou arrependimento. A polícia também conseguiu um áudio em que uma pessoa avisa aos familiares do menor que ele está sendo procurado.

"Ele sai de casa sozinho, comete o crime sozinho, e nós conseguimos provar nos autos que ele fugiu também sozinho após o crime e a pé. Não existe um segundo parceiro de crime e não existe uma moto usada no crime”, contou o delegado. 

Segundo a polícia, o objetivo do suspeito era assaltar e o suspeito afirmou que Rayron reagiu, e que por isso atirou. O adolescente foi apreendido horas depois do latrocínio.  Também de acordo com a polícia civil, o acusado deu versões falsas sobre o crime. Em uma delas, o menor inventou que um inimigo havia tentado matá-lo dias antes.

O rapaz ainda confessou à polícia a autoria de dois homicídios cometidos por ele este ano. Além disso, nas imagens da sua apreensão, é possível ver outra vítima do menor, o próprio tio que abre a porta para que os policiais. As informações são que o menor esfaqueou o tio quando tinha apenas 11 anos.

O próprio adolescente levou à polícia ao local onde estava a arma do crime. O revólver estava em dois sacos plásticos e enterrado na casa da sua avó. A arma será submetida a exame de micro comparação balística para atestar se saiu dela o projétil retirado do corpo de Rayron. 

“Essa arma pertence a um outro indivíduo, que também está sendo investigado. Queremos prendê-lo nos próximos dias”, complementou Emerson Melo.

O inquérito sobre o latrocínio de Rayron já foi concluído e enviado à justiça. Os outros dois casos homicídios ainda estão sob apuração da Delegacia. O menor está recolhido no Centro de Internação Provisória aguardando julgamento.

 

Lyza Freitas
redacao@cidadeverde.com

 

Imprimir