Cidadeverde.com
Geral

Trecho da BR-343 sofre infiltração e PRF faz novo alerta de rompimento

Imprimir

 Fotos: Gorete Santos/ Cidadeverde.com

A PRF informou, neste domingo (9), que está havendo infiltração em um novo trecho da BR 343, na saída de Teresina para o litoral, onde parte do acostamento já foi destruído por causa da erosão. Por esse motivo, a PRF está fazendo mais um alerta de que a BR corre o risco de desmoronamento.

De acordo com a PRF, além da infiltração gerada pelas águas das chuvas, a erosão acaba sendo agravada com o desgaste da pavimentação. O asfalto vai cedendo aos poucos, em razão da pressão feita pelo peso dos veículos que transitam na via. 

Na última quarta-feira, um trecho de 9 km na BR 343 teve que ser interditado no local porque asfalto voltou a ceder. O novo trecho fica a poucos metros do local que foi interditado, de acordo com a PRF. É o mesmo onde ainda no ano passado, o asfalto rompeu causando transtornos, próximo a Hot Sat na rotatória que dá acesso a estrada da Usina Santana no sentido da cidade de Altos.

O superintendente da PRF, Welendal Leal Tenório, disse ao Cidadeverde.com que desde ontem está sendo percebida “certa infiltração” no novo trecho. “O que é mais um indicativo de que a BR pode desmoronar. O trecho já apontava processo de infiltração, e depois das fortes chuvas e com a chuva desta madrugada, somada ao problema da erosão causada pela gravidade do peso dos veículos, tudo vai se agravando ainda mais. Se não houver logo uma intervenção, vai romper novamente até o final do período chuvoso”, alertou.

De acordo com Welendal, o problema é progressivo. Ele disse que foi feito o reparo no trecho que estava com problema e que depois disso, a BR não voltou mais a ficar interditada, mas falou que o trecho “inspira cuidados e precisa de ações de infraestrutura urgentes”.

“A tendência é que piore porque esse é um problema progressivo. A medida que a infiltração vai aumentando, se nada for feito, a reposta vai ser o trecho do acostamento, que já está danificado, aumentar ainda mais até que aconteça o rompimento”, concluiu.

Lyza Freitas
redacao@cidadeverde.com

Imprimir