Cidadeverde.com
Vida Saudável

Grávidas com doença de Crohn devem ter dieta especial

Imprimir

Foto: Pixabay/fotos gratuitas

Algumas mulheres com doença de Crohn podem se preocupar se a gravidez afetará sua condição, enquanto outras temem que a doença ou os medicamentos que estão tomando afetem o feto. Essa doença é uma condição de longo prazo que causa inflamação no trato digestivo. Juntamente com a colite ulcerativa, a doença de Crohn é um tipo de doença inflamatória intestinal (DII). Os sintomas comuns dela incluem diarréia, cólicas abdominais, fadiga e perda de peso não intencional.

Esses sintomas podem variar em gravidade e geralmente vêm e vão em ciclos. Como ela e a gravidez afetam uma à outra depende se os sintomas da mulher estão em remissão. A maioria das mulheres que engravidam enquanto a doença está em remissão pode ter uma gravidez saudável. O melhor momento para uma mulher engravidar é quando a doença está em remissão por pelo menos 3 a 6 meses.

Pesquisas sugerem que muitas mulheres que concebem quando a doença de Crohn está ativa perceberão que seus sintomas permanecem ativos durante a gravidez. A doença ativa pode afetar a saúde da mulher e do feto, aumentando o risco de aborto espontâneo, parto prematuro, baixo peso ao nascer e outras complicações do trabalho de parto ou parto.

Estudos sugerem que ela não reduz a fertilidade quando está em remissão. No entanto, pode ser mais difícil para uma mulher conceber quando seus sintomas estão ativos. Durante a gravidez, uma mulher com doença de Crohn deve seguir as mesmas recomendações dietéticas gerais para todas as mulheres grávidas.

Algumas mulheres tomam uma droga chamada sulfassalazina para reduzir a inflamação causada pela doença. No entanto, esta droga reduz sua capacidade de absorver o ácido fólico, que é uma vitamina essencial para o feto em desenvolvimento. Nestas situações, os médicos podem recomendar que uma mulher tome ácido fólico extra.

As mulheres com a doença podem ter um parto normal, mesmo que tenham tido anteriormente uma colostomia ou ileostomia. No entanto, essas mulheres são um pouco mais propensas a precisar de uma cesárea. De acordo com um estudo publicado no Journal of Crohn e Colitis, mulheres com DII têm a mesma probabilidade de amamentar seu bebê do que qualquer outra pessoa.

O estudo também indica que a amamentação não causa surtos e pode até reduzir o risco destes durante o primeiro ano após o parto. A doença de Crohn pode ocorrer em famílias, mas o risco de herança é geralmente bastante baixo.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir