Cidadeverde.com
Viver Bem

Dieta do Mediterrâneo e envelhecimento cerebral saudável

Imprimir

Foto: Pixabay/foto gratuita

Um estudo recente descobriu mais evidências de uma associação entre dieta e envelhecimento cerebral saudável. Encontrou ligações entre marcadores sanguíneos de certos nutrientes na dieta mediterrânea e desempenho mental e conectividade do cérebro em idosos. A dieta mediterrânea é rica em frutas, castanhas, vegetais, legumes, grãos integrais, frutos do mar e azeite, e limita carnes vermelhas e doces.

Pesquisas anteriores sugeriram que os idosos que seguem mais essa dieta têm melhor função cerebral. Além de testar a função cognitiva, eles usaram exames de ressonância magnética para avaliar a eficiência em certas redes cerebrais. Além disso, em vez de usar pesquisas de dieta - que dependem da memória das pessoas - eles mediram os níveis sanguíneos de nutrientes. A equipe encontrou ligações entre cinco padrões de biomarcadores de nutrientes e melhores resultados em testes de memória, inteligência geral e função executiva.

Os nutrientes nos padrões de biomarcadores pareciam funcionar juntos. Eles incluíam ácidos graxos ômega-3, ômega-6, licopeno, carotenóides, riboflavina, folato, vitamina B-12 e vitamina D. Os cientistas também encontraram ligações entre outros três padrões de biomarcadores de nutrientes e melhor eficiência funcional da rede cerebral.

Os nutrientes nesses padrões incluíam ácidos graxos ômega-3 e ômega-6 e caroteno. Nozes, peixe e couve de Bruxelas são algumas das ricas fontes de ácidos graxos ômega-3. O ômega-6 é abundante em sementes de linhaça, pistache, pinhão e sementes de abóbora. O licopeno, um pigmento vermelho que dá cor aos tomates, está presente em alguns outros vegetais e frutas.

Ovos, cereais fortificados e certos vegetais verdes são fontes típicas de riboflavina ou vitamina B-2. Batatas-doces e cenouras obtêm sua cor laranja de carotenóides, enquanto o folato é uma vitamina B presente em muitos tipos de alimentos, incluindo feijões, ervilhas e nozes. A vitamina D é abundante em peixes gordurosos, como cavala, atum e salmão, e em certos alimentos fortificados. Quando repetiram a análise com 40 dos participantes do estudo cerca de dois anos depois, os cientistas encontraram padrões muito semelhantes aos do grupo original. Isto sugere que os padrões dos biomarcadores de nutrientes permanecem estáveis ao longo do tempo.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir