Cidadeverde.com
Geral

Conselho aprova reajuste na tarifa de ônibus para R$ 4,02 em Teresina

Imprimir
  • PROTESTO_(11).jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • PROTESTO_(10).jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • PROTESTO_(9).jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • PROTESTO_(8).jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • PROTESTO_(7).jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • PROTESTO_(6).jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • PROTESTO_(5).jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • PROTESTO_(4).jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • PROTESTO_(3).jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • PROTESTO_(2).jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • PROTESTO_(1).jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com

Atualizada às 11h05


O Conselho Municipal de Transporte - que integra mais de 20 entidades - aprovou nesta quinta-feira (27) reajuste de 11% na tarifa de ônibus de Teresina. A reunião foi encerrada após discussões entre os integrantes. Pela nova decisão, a passagem inteira passará de R$ 3,60 para R$ 4,02. A meia ficará R$ 1,28. 

O aumento foi aprovado em meio a protestos em frente ao prédio da Strans. 

A decisão será encaminhada ao prefeito de Teresina, Firmino Filho para ser sancionada. 

Atualizada às 10h30

Integrantes do Conselho Municipal de Transporte se reúnem a portas fechadas para discutirem a proposta de aumento da tarifa de ônibus de R$ 3,60 para R$ 4,02. 

Do lado de fora do prédio da Strans (Superintendência Municipal de Trânsito) manifestantes contra o aumento fazem protestos. Com cartazes, os estudantes dizem não ao reajuste de 11%. 

Para garantir que a reunião aconteça, policiais militares, agentes de trânsito e guardas municipais fazem um cordão de isolamento na frente do prédio. No momento não foi registrado nenhuma ocorrência.

"Nossa luta é contínua. Eles já deram uma proposta de R$ 4 e não vão parar. A gente pede qualidade no transporte e simplesmente somos ignorados. Somente os estudantes estão lutando pelo povo, o resto todo vota contra. A entrada dos estudantes foi barrada. Resolveram votar agora porque a maioria da galera está viajando", disse Jhouseany Rodrigues, membro do movimento Rua Juventude  Anticapitalista e do DCE-UFPI. 

O gerente de planejamento da Strans, Denilson Guerra, explica que os estudantes não puderam entrar porque perderam o prazo legal para indicar um representante. 

"Existe um lastro processual. Alguns representantes dessas instituições deixaram de fazer parte e não indicaram um novo nome em tempo hábil",  explica Guerra. 

Cerca de 20 representantes de várias áreas da sociedade participam da reunião e apresentam uma contra-proposta. A definição do novo valor deverá ser votado ainda pela manhã. 

Ao todo, 30 PMs, seis guardas municipais e seis agentes de trânsito fazem o policiamento na frente da Strans.  Cerca de 30 manifestantes participam do protesto.


 


Flash Graciane Sousa
[email protected] 

Imprimir