Cidadeverde.com
Viver Bem

Crossfit: benefícios e cuidados necessários para evitar complicações

Imprimir

Se você ainda não é adepto do crossfit, certamente já conhece alguém que pratica – e gosta muito. A atividade é febre em diversas academias e exige do praticante, essencialmente, disciplina, foco e muita disposição. Trata-se, em resumo, de um treinamento que une levantamento de peso olímpico, ginástica, atletismo e outras modalidades em atividades de alta intensidade.

O método de treinamento foi criado há décadas pelo preparador físico Greg Glassman, com o intuito de promover uma vida saudável. Ele explora nada menos dez capacidades do corpo humano: resistência cardiorrespiratória, resistência muscular, força, flexibilidade, potência, velocidade, coordenação, agilidade, equilíbrio e precisão.

Nem todo mundo gosta do crossfit. Nuno Cobra, veterano professor de educação física e que cuidou, entre outros atletas, de Ayrton Senna, condena a prática que define como “total insanidade”. Mesmo assim, o número de adeptos é grande no País.

Benefícios

Os benefícios incluem ganho de força, resistência e equilíbrios musculares. Poucos são os esportes onde o praticante conquiste tantos ganhos Ainda que haja lesões, não são números alarmantes. Esportes como o futebol, levantamento de peso, corrida e musculação possuem alto índice de lesões, bem acima do crossfit.

Contraindicações

Por ser altamente personalizado, o crossfit é um tipo de treinamento que pode ser praticado por pessoas de todas as idades. Hoje em dia, mesmo mulheres grávidas frequentam as aulas em estágios avançados da gestação. No entanto, essa decisão deve ser feita caso a caso e sob a consulta do profissional de educação e, principalmente, do médico responsável por acompanhar a gravidez.

Frequência

Normalmente, recomenda-se que alunos novos não ultrapassem a marca de duas ou três aulas por semana. Com a melhora progressiva do condicionamento e resistência, esse nível pode ser aumentado, chegando a, no máximo, cinco dias por semana. Superar essa marca pode ser perigoso.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir